Leonardo Valle

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) calcula que são desperdiçados 1,3 bilhão de toneladas de alimentos, anualmente, em todo o mundo – o que equivale a um terço da produção mundial. Já aqui no Brasil, a estimativa da World Resources Institute (WRI) é que são jogados no lixo 41 mil toneladas de comida ao ano. Combater o desperdício seria uma forma de ajudar a controlar a fome no mundo, que atinge, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), 925 milhões de pessoas.

“Todo o cidadão tem responsabilidade em relação ao desperdício. O problema é fruto do consumo inconsciente, de comprar em excesso ou fazer compras não planejadas”, descreve a nutricionista do Centro de Recuperação e Educação Nutricional (CREN), Juliana Calia. “Além disso, jogamos fora partes importantes dos alimentos que poderiam ser utilizadas. É o que chamamos de aproveitamento integral”, destaca

Tudo se aproveita

Culturalmente, não entendemos como alimentos as cascas, as sementes, entrecascas e folhagens de determinadas frutas e legumes. O resultado é que eles acabam indo para a lixeira, gerando mais resíduos para os aterros sanitários. “A questão é que esses alimentos são ricos em nutrientes. Quando vemos em uma tabela nutricional, por exemplo, que uma fruta tem uma certa quantidade de vitamina C, o cálculo não diz respeito apenas ao seu miolo, mas à sua composição integral”, esclarece.

As cascas da laranja e do limão, quando raladas, por exemplo, podem virar temperos de peixes. Além disso, elas acrescentam um gostinho especial em bolos e biscoitos caseiros. “Com isso, diminuímos o consumo de alimentos industrializados por tabela, conhecidos por apresentarem altas quantidades de sódio, gordura e açúcar”, aponta Calia. Outras sugestões: a casca do abacaxi pode ser fervida e se transformar em chá ou substituir o vinho do sagu. Já a da banana é matéria-prima para brigadeiro ou chips.

Quando o assunto são as sementes, o exemplo mais tradicional é a da abóbora. Elas podem ser torradas e consumidas como petiscos. Os caroços de melancia viram um chá quando fervidas. “E é possível usar as da jaca no vinagrete”, ensina a nutricionista.

As folhas da cenoura e da berinjela podem ser servidas nas saladas. “A rama da berinjela tem uma coloração rosada bonita, além de ter um sabor levemente adocicado”, diz a profissional. Por fim, os talos da couve-flor, brócolis, salsa, agrião e beterraba dão vida a bolinhos e farofas.

Para colocar a mão na massa, inspire-se em algumas receitas elaboradas pelo projeto Mesa Brasil do SESC, pelo Sesi e pela Prefeitura de Florianópolis.

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

wpDiscuz

Talvez Você Também Goste

Notícias

Conheça quatro benefícios de não comer carne um dia na semana

No Brasil, Campanha Segunda sem Carne atinge três milhões de pessoas em 100 municípios

há 1 semana
Notícias

Potencial do Brasil em energia solar é subaproveitado, aponta especialista

Adesão da população à eletricidade limpa depende do barateamento das placas fotovoltaicas residenciais

há 4 semanas
Notícias

Filmes de mostra de cinema ambiental podem ser vistos gratuitamente pela internet

Animações, ficções e documentários podem ampliar debate e conscientização sobre questões atuais

há 2 meses
Notícias

Em São Paulo, moradores se unem para revitalizar praças abandonadas

“Todos viram guardiões e se sentem responsáveis pelo espaço”, diz participante

há 3 meses

Receba NossasNovidades