Leonardo Valle

Jornalista com diferentes especializações no campo do cinema e passagem pela Rede Globo, Daniel Gonçalves é uma pessoa com deficiência (PCD). Os sintomas motores apareceram quando ele era criança e, ainda hoje, não foram totalmente esclarecidos. Sua trajetória virou o documentário “Meu nome é Daniel”, que estreou em 17 de outubro de 2019. Dirigido por ele mesmo, o filme é o primeiro longa-metragem brasileiro dirigido por uma PCD.

“A deficiência é vista como algo ruim. Assim, quando uma pessoa com deficiência trabalha, namora, joga bola etc., ela passa a ser entendida como um herói ou exemplo de superação. Quando mais e mais pessoas com deficiência começam a contar as suas histórias, isso mostra que elas são comuns: não são aberrações, vítimas ou têm super poderes. Com isso, esses mitos deixam de fazer sentido”, aponta.

Qual a sua história?

Daniel Gonçalves: Com seis meses de idade, eu tive problemas gástricos e meus pais perceberam que havia algo errado comigo. O médico disse que poderia haver complicações na parte neurológica e motora, mas os exames foram inconclusivos. Até hoje não sei exatamente o que é. Embora não soubesse a causa, essa situação existia, então, comecei a fazer terapia para reabilitação, que faço até hoje.

Quando você começou a se entender como pessoa com deficiência?

Gonçalves: A percepção só veio mais tarde. Meus pais lidavam de uma outra forma com a situação, então demorei para perceber que era diferente. Na maioria das vezes, não me percebo diferente do outro – até hoje.  Quando estou na rua, me olham, mas aprendi a não enxergar esses olhares. Não me lembro de sofrer bullying no colégio. Lá, usava máquina de escrever para acompanhar as matérias, e não enxergava nisso uma desvantagem. Aos nove anos, durante umas férias, um casal me viu e disse “coitadinho”. Foi a primeira vez que revidei. Aos 19 anos, sai de Barra Mansa (RJ) e vim fazer faculdade no Rio de Janeiro (RJ). Comecei a ficar mais sozinho e a refletir mais sobre a condição de PCD.

Como surgiu a ideia de realizar um filme biográfico?

Gonçalves: Ela surgiu depois de um curta de três minutos que fiz para um concurso, que não ganhei. Falava como poderia ter sido a vida sem minha deficiência. Publiquei o vídeo no YouTube, e apenas com o compartilhamento de amigos, foram 30 mil visualizações. Pensei: “Acho que tem mais história para contar”. Então, comecei um projeto de financiamento colaborativo em 2015, com dois objetivos: levantar a grana para a produção e tornar o projeto conhecido. O Roberto Berliner viu e quis ser coprodutor. Submetemos a dois editais (Cine Rio e BNDS) e ganhamos.

Qual o seu objetivo com o filme?

Gonçalves: Queria contar a história do que aconteceu comigo e fazer um filme sobre uma pessoa com deficiência que não caísse em dois lugares comuns que somos colocados: o de vítima ou de heróis. Queria questionar isso. Mostrar que não somos uma coisa, nem outra. Que a deficiência é somente uma das minhas características, que tenho qualidades e defeitos independente dela. Também questionar essa construção sociocultural do que é ser “normal” e do que não é. Ajudar as pessoas a reverem seus preconceitos. Por fim, falar da importância da família e de privilégios. Fui privilegiado por ter uma determinada situação financeira, por ter tido uma família que lidou com a situação de uma forma diferenciada ou por ter tido a oportunidade de ter uma máquina de escrever durante o período escolar. Poderia não ter tido acesso a isso.

“É o primeiro longa dirigido por uma pessoa com deficiência no Brasil. Tem dado voz e pode dar mais ainda a outras pessoas”, diz Daniel (crédito: divulgação)

 

O que você aprendeu durante o processo de realização?

Gonçalves: Fazer um longa-metragem pessoal tem algumas particularidades. Tinha muitos arquivos de vídeo, e alguns tocavam em situações difíceis. Foi preciso resgatar memórias do que vivi. Entrevistei meus pais e outras pessoas que ajudaram a entender melhor a minha trajetória. O processo de edição foi uma imersão muito intensa: ficamos seis meses, todos os dias da semana, trabalhando. O que mudou é que não somente amadureci como profissional como entendi a importância do filme para as pessoas com deficiência, pela representatividade. Sou uma PCD contando a própria trajetória. É o primeiro longa dirigido por uma pessoa com deficiência no Brasil. Tem dado voz e pode dar mais ainda a outras pessoas. Podem pensar: “se ele conseguiu, eu também posso”.

Em quais aspectos as pessoas precisam ser educadas sobre o tema?

Gonçalves: Eu canso de ouvir, por exemplo, coisas como “você é um exemplo de superação”, “quando fico triste, me lembro de você” ou “não fico triste porque você não é”. Ou ver posts nas redes sociais com a imagem de uma pessoa amputada correndo, com dizeres “qual sua desculpa para não correr hoje?”. Não acho que as pessoas fazem por mal, mas dizem sem pensar. O que está por trás disso é que a deficiência é vista como algo muito ruim. Então, quando uma pessoa com deficiência trabalha, namora, joga bola e etc., ela é entendida como herói ou exemplo de superação. Afinal, “a situação dela é tão horrível”. Quando mais e mais PCDs começam a contar a sua história, isso mostra que elas são comuns: não são aberrações, vítimas ou heróis. Com isso, esses mitos deixam de fazer sentido.

Veja mais:
Anne Magalhães usa música para incluir surdos e aumentar interesse pela língua de sinais
“Não se deve ter medo de ajudar um cego a atravessar a rua”, diz autora

Crédito da imagem principal: divulgação

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

wpDiscuz

Talvez Você Também Goste

Notícias

Blocos inclusivos aproveitam o carnaval para conscientizar sobre o tema

“Iniciativas tornam pessoa com deficiência visível e reforçam que todos podem se divertir”, diz organizadora

há 9 meses
Notícias

Pulseira criada por aluno alerta pessoas com deficiência visual sobre obstáculos que não estão no chão

Item vibra na presença de objetos acima da linha da cintura, como janelas abertas

há 4 meses
Notícias

Publicação explica Estatuto da Pessoa com Deficiência em linguagem acessível

Cartilha disponível online foi elaborada em formato de perguntas e respostas

há 2 anos
Notícias

Incluir a pessoa com deficiência no mercado de trabalho é tema de e-book gratuito

Publicação reforça necessidade de adaptar espaços e combater preconceitos

há 2 anos

Receba NossasNovidades