Leonardo Valle

Cega do olho direito e com 30% de visão no olho esquerdo, a arquiteta e escritora Raquel Alves descobriu que nem todo o mundo está preparado para lidar com pessoas com baixa ou nenhuma visão. Diagnosticada com glaucoma aos 13 anos, a filha do escritor Rubem Alves sofreu complicações da doença na idade adulta.

Para sensibilizar a sociedade sobre o tema, ela reuniu histórias de pessoas com deficiência visual no livro “Muito além da visão”. “Há jornalistas, professores e até um esportista paralímpico”, revela. A obra reúne 27 depoimentos, um para cada estado, além do Distrito Federal.

“O objetivo também é trazer empatia e aproximar. Que as pessoas não tenham medo de ajudar um cego a atravessar a rua, por exemplo. É uma questão, sim, que interfere na rotina, mas quem tem baixa ou nenhuma visão se adapta e faz tudo”, ressalta.

Como você se descobriu como pessoa com deficiência visual?

Raquel Alves: Sou diagnosticada com glaucoma desde os 13 anos e passei por duas cirurgias. A doença estacionou até que, há oito anos, voltou e não estabilizou. Tenho visão de 30% no olho esquerdo e fiz uma cirurgia para tentar salvar a visão do direito, com o qual enxergava bem. Não consegui e fiquei cega deste olho também.

Quais os desafios que você viveu nesta trajetória?

Alves: O mundo não é preparado para a pessoa com deficiência visual. Ela não tem autonomia e depende de ajuda. Quem não consegue enxergar não consegue andar em determinados lugares, pois não tem orientação. A referência é a visão e é preciso desconstruir esse universo e construí-lo novamente. Processo que não é rápido e eu ainda estou vivendo. Também é preciso reeducar o mundo ao redor, pois nem todos sabem como lidar. As pessoas em volta tentam fazer o melhor e nem sempre conseguem, e a gente tem que ensinar como fazer. Também é exercitar a paciência com você mesmo, por não conseguir fazer as coisas como antes.

Sobre o que a sociedade precisa se conscientizar em relação às pessoas com deficiência visual?

Alves: Das 6,5 milhões de pessoas que se declaram com deficiência visual, apenas 500 mil são cegas, o restante tem baixa visão. Mas a sociedade tem mais familiaridade em entender o absoluto: enxerga ou não enxerga. Na baixa visão, cada um vê de uma forma única. Eu, por exemplo, vejo bem no smartphone e computador, mas perdi o campo visual e enxergo só o que está na minha frente. Para andar na rua, necessito da bengala. Entretanto, há pessoas que são o oposto: perderam a visão central e têm a lateral. Elas podem andar sem bengala, mas não conseguem ler. Cada patologia é diferente, as necessidades mudam e falta conhecimento. É instituído que essa população, por exemplo, usa bengala verde. Nem todo mundo sabe disso. Já elogiaram minha bengala achando que era uma escolha.

“O objetivo do livro é construir uma sociedade que busque proporcionar uma convivência entre todos”, diz Raquel Alves (crédito: divulgação)

 

Como surgiu a ideia do livro “Muito alem da visão”?

Alves: Quando comecei a me entender como pessoa com deficiência visual, estacionei o carro na garagem pela última vez e percebi que não conseguiria seguir a vida do jeito que fazia até então. Isso me deixou muito triste. Naquele momento, eu não estava preparada para usar bengala ou procurar uma instituição, estava precisando de acalanto, acolhimento e apoio. Precisava conversar. Procurei grupos de acolhimento, mas não encontrei naquele momento. Na internet, encontrei o livro “Histórias de baixa visão”, organizado pela Mariana Baierle e ele me ajudou. Encontrei autores que perderem ou estavam perdendo a visão e vi que existia luz no fim do túnel. Conheci a organizadora e ela me convidou para participar da segunda edição. Tive a ideia de fazer algo mais abrangente, com pessoas de todos os estados e do Distrito Federal. Conversei com a Mariana e ela viu que esse seria um outro projeto. Fui atrás dos personagens e os convidei para contarem suas histórias.

Do que o livro trata?

Alves: O livro fala da vida, conquistas e desafios de cada autor. São pessoas com deficiência, mas que não são limitadas: há jornalistas, professores e até um esportista paralímpico. Cada autor retrata a origem da sua perda visual e as causas são diversas.

Qual o objetivo do livro?

Alves: Construir uma sociedade que busque proporcionar uma convivência entre todos. Lembrar que mesmo que uma situação não seja comum, como é não enxergar, não significa que seja anormal. Também é trazer empatia e aproximar. Que as pessoas não tenham medo de ajudar um cego a atravessar a rua, por exemplo. É uma questão, sim, que interfere na rotina, mas a pessoa se adapta e faz tudo.

O que é necessário para mudar essa realidade?

Alves: Uma vez, estava em um restaurante e esqueci minha lupa. O amigo que me acompanhava leu o cardápio para mim. Na hora do pedido, o garçom perguntou o que nós desejávamos apenas para ele. Como se junto com a deficiência visual você perdesse a capacidade de escolha. Existe um tabu grande em falar sobre o assunto, mas é melhor abordar abertamente e com gentileza do que fazer de conta que nada está ocorrendo. Fazer com que os outros perguntem para a pessoa com deficiência o que ela necessita, pois só ela pode ter a resposta. A educação é importante. Por exemplo, que as crianças possam experienciar como é não enxergar em dinâmicas na escola. E mudar a tecnologia. Muitos sites ainda não são inclusivos, não levam em conta que a pessoa com baixa visão ou cega não acessa as imagens ou arquivos em pdf.

Veja mais:
Blocos inclusivos aproveitam o carnaval para conscientizar sobre o tema

Crédito das imagens: divulgação

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

wpDiscuz

Talvez Você Também Goste

Notícias

Pulseira criada por aluno alerta pessoas com deficiência visual sobre obstáculos que não estão no chão

Item vibra na presença de objetos acima da linha da cintura, como janelas abertas

há 1 semana
Notícias

Cotas para transgêneros nas universidades públicas ajudam a reverter exclusão social

“Iniciativa é passo para combater a baixa escolarização dessa população”, diz presidente da Antra

há 6 horas
Notícias

Orientações sobre o transporte seguro de crianças em veículos é tema de cartilha

Documento estimula o uso da cadeirinha e outros dispositivos para evitar mortes no trânsito

há 4 dias
Notícias

Como descobrir se a roupa que compro utiliza trabalho escravo em sua produção?

Aplicativo com histórico das marcas e etiquetas das peças podem trazer informações

há 1 semana

Receba NossasNovidades