Eliane Barros

A busca por uma vida mais saudável conta agora com uma nova ferramenta. O “Armazém da Saúde” é um aplicativo que permite ao usuário simular suas compras de alimentos e, no final, ter acesso a conteúdos específicos sobre cada item escolhido. As compras ficam armazenadas em uma despensa virtual, que pode ser acessada a qualquer momento. Além disso, o app também disponibiliza 80 receitas com alimentos das diferentes regiões do país.

Lançado pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca), o objetivo é mostrar que o câncer é passível de prevenção por meio de uma alimentação saudável e de práticas de atividades físicas. Seguindo essa proposta, no final de julho, o aplicativo também ganhará a interface de game. Com base nas práticas alimentares, atividades físicas e outras informações cedidas pelo usuário, o “Armazém da Saúde” irá sugerir melhorias, propondo algumas missões. Se o usuário relatar o consumo de itens não saudáveis, por exemplo, o app irá sugerir alguma tarefa, como aumentar a ingestão de alimentos mais saudáveis ou reduzir os ultraprocessados. Se completar a missão, o avatar do usuário se tornará mais forte.

O app é gratuito e está disponível na Google Play e, a partir de 19 de julho, também na Apple Store.

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

wpDiscuz

Talvez Você Também Goste

Notícias

Concentração de árvores nas cidades está relacionada à boa qualidade do ar

Estudos em São Paulo mostram que espécies absorvem metais pesados e gás carbônico da atmosfera

há 10 horas
Notícias

Cartilha orienta agentes de segurança pública na abordagem de pessoas LGBTI

Publicação disponível gratuitamente na internet inclui enquadramento de mulheres trans na Lei Maria da Penha

há 4 dias
Notícias

Série online gratuita relata resistência contra o racismo em Curitiba

“Negritude e Branquitude: Novos Olhares” conta com três episódios e apresenta depoimentos colhidos na cidade

há 5 dias
Notícias

Exploração de petróleo pode colocar em risco corais da Amazônia

“Vazamento teria impactos ambientais, sociais e também econômicos”, alerta especialista do Greenpeace

há 1 semana

Receba NossasNovidades