Leonardo Valle

Se no passado as notícias falsas se espalhavam pela internet por meio de e-mails, hoje, o uso de redes sociais e aplicativos de mensagens fazem com que os boatos sejam compartilhados de forma massificada e alcancem um número maior de usuários. Por esse motivo, o Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil (CERT.br) do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br) disponibilizou online um fascículo dedicado ao tema.

A publicação é gratuita e tem como objetivo atualizar informações publicadas, anteriormente, na Cartilha de Segurança para Internet da instituição. “A expansão do acesso à internet, naturalmente, gerou um maior alcance de boatos. A partir disso, notamos a necessidade de detalhar os problemas causados pelo compartilhamento de mensagens falsas, como identificá-las e combatê-las”, assinala a gerente do CERT.br, Cristine Hoepers.

No início, os boatos eram conhecidos como hoaxes. Há também os boatos popularmente conhecidos como “corrente”, e agora, as fake news, termo geralmente associado a notícias que tentam se passar por reportagens jornalísticas verdadeiras e que possuem conteúdo falso, impreciso ou distorcido. Além disso, a publicação alerta para as consequências legais de repassar um conteúdo falso.

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

wpDiscuz

Talvez Você Também Goste

Notícias

Guia do Comitê Gestor da Internet no Brasil orienta sobre notícias falsas nas eleições

Publicação lista seis passos para que usuários não compartilhem nem sejam vítimas de fake news

há 5 meses
Notícias

Clínicas sociais oferecem terapia gratuita ou a baixo custo em todo o Brasil

Espaços são vinculados a universidades e centros de formação de psicólogos

há 4 horas
Notícias

Relatório internacional denuncia aumento de mortes violentas no Brasil

Assassinato cometidos por policiais em 2017 cresceram 20% em relação a 2016, segundo o documento

há 4 dias
Notícias

Documento da ONU traz padrões de conduta para tornar locais de trabalho mais seguros a LGBTIs

Discriminação prejudica ascensão profissional e também a economia mundial, segundo entidade

há 6 dias

Receba NossasNovidades