Leonardo Valle

Adriana Carolina Hurtado é uma jovem venezuelana de 16 anos que chegou ao Brasil há dois. Para isso, percorreu 1,5 mil quilômetros, da cidade de Maracay até aqui. Ao seu lado na viagem, estava seu irmão mais velho, Camilo, que adoeceu ainda na Venezuela. A garota, na verdade, não existe na vida real, ela é um chatbot – um programa de computador que utiliza inteligência artificial para imitar conversas com usuários. Seu objetivo é sensibilizar adolescentes e adultos sobre a crise migratória e evitar a xenofobia contra venezuelanos no país.

A ação faz parte do Projeto Fronteiras. Por meio do Messenger do Facebook, os usuários podem conversar por pelo menos duas horas com ela, que conta sua biografia por meio de mensagens de texto, áudio, fotos e vídeos. Além disso, ela também tem um perfil no Instagram para mostrar tudo o que registrou no caminho até o Brasil e os desafios que vem enfrentando por aqui.

A iniciativa foi desenvolvida pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), em parceria com a empresa de tecnologia e engajamento digital Talk2U. A história de Adriana, contudo, não é inteiramente ficção, sendo inspirada em entrevistas com migrantes venezuelanos nas cidades de Pacaraima (na fronteira com a Venezuela), Boa Vista e São Paulo.

Também foram realizadas entrevistas com brasileiros nas ruas das três cidades para entender a percepção sobre a chegada dos migrantes, assim como especialistas em estudos sobre fluxos migratórios, xenofobia e discriminação.

A crise migratória que atinge a Venezuela resultou em 4,7 milhões de venezuelanos que deixaram o seu país. No Brasil, já são mais de 220 mil solicitações de refúgio e residência, com estimativa de que 30% delas sejam de crianças e adolescentes.

Além das crianças que chegam com seus pais e familiares, a cada mês, mais de 400 meninos e meninas entram no país desacompanhados. As organizações envolvidas com o tema estimam que o número de venezuelanos no Brasil, até o final de 2020, vai chegar a 344 mil, dos quais 100 mil serão crianças e adolescentes.

Veja mais:
Quatro em cada cinco refugiados permanecem em países próximos aos seus locais de origem
Livro online analisa migrações venezuelanas para o Brasil e nações da América Latina
Cartilha orienta imigrantes e refugiados que vivem no Brasil

Crédito da imagem: Unicef Brasil

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

wpDiscuz

Talvez Você Também Goste

Notícias

Livro online analisa migrações venezuelanas para o Brasil e nações da América Latina

Segundo IBGE, aproximadamente 30,8 mil venezuelanos vivem atualmente no país

há 1 ano
Notícias

Mais de 4 milhões de pessoas pediram refúgio ou migraram da Venezuela, aponta plataforma da ONU

Página brasileira reúne dados recentes sobre o fluxo de venezuelanos no Brasil e no mundo

há 5 meses
Notícias

Cartilha orienta imigrantes e refugiados que vivem no Brasil

Documento da Defensoria do Rio de Janeiro explica direitos básicos e legislação referente ao tema

há 1 ano
Notícias

Campanha visa informar migrantes sobre seus direitos no Brasil

Objetivo é evitar que grupo seja submetido a situações abusivas, como trabalho análogo à escravidão

há 2 semanas

Receba NossasNovidades