BM Comunicação

Em um passado recente, as principais ameaças à democracia eram os golpes de estado e as ditaduras. Hoje, as coisas já não funcionam mais assim. Atualmente os regimes democráticos se corroem internamente, a partir de uma alteração no funcionamento do sistema político que mantém a fachada da democracia mas tira do cidadão, por meios indiretos, a possibilidade de escolher entre projetos diferentes. Essa é a avaliação feita pelo doutor em ciência política pela USP e coordenador do mestrado em gestão e políticas públicas da Fundação Getulio Vargas (FGV), Cláudio Gonçalves Couto.

“Um dos riscos que toda democracia sofre não é só virar um regime autoritário, mas seu mau funcionamento constante, uma corrosão oligárquica”, avalia Couto. O especialista argumenta que a captura do processo de representação por grupos de interesse pode acabar por minar o funcionamento do jogo democrático, levando a um processo de concentração de poder e abrindo espaço para governos autocráticos.

Na entrevista, o pesquisador oferece uma definição clássica de democracia, comenta os efeitos da polarização no processo político e explica o que é autocracia.

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

wpDiscuz

Talvez Você Também Goste

Estudantes participam de ação para distribuir livros em suas comunidades

Jovens aprendem sobre democracia ao se tornarem parlamentares por um dia

“Nunca pensei que seria uma refugiada. Aconteceu”

Receba NossasNovidades