Confira o vídeo com Libras e audiodescrição:

BM Comunicação

Mudar os padrões de masculinidade responsáveis pela reprodução de comportamentos machistas. Esse é o objetivo do projeto Okara, criado pelo educador físico Leonardo Oshiro. A iniciativa acontece, desde 2017, para desconstruir concepções que estão na raiz de casos de violência contra as mulheres e que também impõem aos meninos, desde cedo, ideias como a de que homem não chora e que desentendimentos devem ser resolvidos com violência.

Para atingir esse fim, o projeto oferece atividades gratuitas para alunos de escolas públicas da região metropolitana de São Paulo (SP) e para organizações sem fins lucrativos. O intuito é o de ajudar os jovens a repensarem a ideia de masculinidade, buscando resgatar valores como a autenticidade, compaixão, confiança, individualidade e responsabilidade.

“O projeto vem ao encontro da necessidade dos alunos, que precisam se expressar”, afirma o diretor da Escola Estadual Major Arcy – uma das atendidas pelo projeto –, Félix Rogério. Para ele, as conversas mediadas por Oshiro suprem uma lacuna, dando voz aos garotos, que muitas vezes não encontram canais de comunicação adequados em casa ou mesmo na escola.

Oshiro conta que o projeto pretende criar “um espaço franco de diálogo, onde a gente possa expressar aquilo que a gente realmente é”. “O Leonardo proporcionou a esses meninos um momento diferente de interação, de valorização da autoestima. E, com isso, os alunos conseguem trazer à tona questões que são relacionadas com a idade, com a diversidade social, e que impactam diretamente em suas vidas”, completa Rogério.

Confira o vídeo com Libras e audiodescrição:

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

wpDiscuz

Talvez Você Também Goste

“Rejeitam pessoas com deficiência com base no capacitismo”, avalia procuradora

Há necessidade de promover a ideia de moradia como serviço público, avalia professor da USP

Nova lei antidrogas: as comunidades terapêuticas e a política de guerra às drogas

Receba NossasNovidades