Vinculação a uma lógica punitiva, formação inadequada de profissionais e a deficiência das políticas públicas para a área são alguns dos principais problemas vivenciados por adolescentes e profissionais que atuam nos serviços de medidas socioeducativas. A conjunção desses fatores, dentre outros elementos, faz com que os estabelecimentos onde os meninos são internos se assemelhem ao sistema prisional. A avaliação é da socióloga que coordena parte das oficinas oferecidas aos jovens na Fundação Casa, no estado de São Paulo, Marília Rovaron.

A arte-educação tem sido um dos caminhos encontrados para minimizar os efeitos complicados e tentar oferecer para os jovens um caminho rumo a ressocialização. A rotina do trabalho nas oficinas de arte é retratada no documentário “Meninos de Palavra”, de Fabrício Borges. No vídeo, os dois convidados conversam sobre os desafios da socioeducação, o papel da arte na vida dos garotos e falam sobre a experiência de registrar as oficinas em um documentário.

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

wpDiscuz

Talvez Você Também Goste

Voluntários ajudam a reformar casas em Heliópolis

Praticantes da permacultura urbana promovem conexão entre centro e periferia de São Paulo

Mindfulness: técnica de meditação é adotada na Guarda Civil para controle do estresse

Receba NossasNovidades