Faça o download do podcast

Ana Maria Machado é considerada uma das mais versáteis e completas escritoras brasileiras contemporâneas, com mais de 100 livros publicados no Brasil e em outros 17 países, superando a marca dos 20 milhões de exemplares vendidos. Sua produção literária, muito utilizada em sala de aula por textos questionadores e com temas importantes de serem abordados com as crianças, vai além da literatura infantil.

Infância

O estímulo para se tornar escritora veio ainda na infância. “Para eu ser uma leitora voraz, vim de um ambiente muito leitor”, define na entrevista exclusiva concedida ao podcast do Instituto NET Claro Embratel. A mãe trabalhou na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, o pai foi jornalista. “Ele era chefe de redação e recebia todos os jornais em casa de manhã”, afirma, ao revelar que, com três anos de idade, já sabia diferenciar os periódicos.

Ana Maria Machado é a mais velha de nove irmãos e, além de crescer ouvindo histórias contadas pelos pais, também lia para os mais novos. O contato com a ficção continuava nas férias na casa de praia dos avós, em Manguinhos, no Espírito Santo. Ali, a família se reunia em torno de uma fogueira para compartilhar histórias.

Primeiras publicações

O começo da produção literária vem com o convite para escrever na Revista Recreio. Em 1969, a autora se une a Ruth Rocha, Joel Rufino e Sonia Robatto para planejarem o “número zero” da publicação que se tornaria conhecida entre crianças de todo o país.

“Quando eu comecei a escrever, meu filho Rodrigo estava com dois anos. A primeira história publicada em Recreio é de um patinho que não queria nadar. Surgiu de uma brincadeira que eu fazia com ele na hora do banho”, revela ela ao explicar que as primeiras narrativas estavam ligadas a experiências do dia a dia.

Jornalismo e literatura

Com atuação na mídia impressa e no rádio, a autora considera que estas experiências a ajudaram a observar, ouvir, perceber, pensar e analisar, ou, em resumo, “a prestar atenção no mundo”: qualidades que ajudam na escrita. Mas ressalta que a literatura deve se distanciar do caráter efêmero do jornalismo. “Ela tem uma transcendência de outro tipo. Tem de ser suficientemente ambígua, quer dizer, ter muitos significados e cada vez se renovar. Cada leitura nova significa uma coisa diferente.”

Ana Maria Machado durante evento que celebrou os 50 anos de produção literária da escritora (crédito: Global Editora)

 

Formação de leitores

Sobre como estimular crianças a ler, a ocupante da Cadeira nº 1 da Academia Brasileira de Letras (desde 2003), acredita que o fundamental é o exemplo. “Se o pequeno vê um adulto lendo, ele tem vontade de ler. Não adianta mandar ler. Os mais novos querem comer com garfo e faca, porque veem o pai e a mãe fazerem isso. Então, como fazer uma criança ler? Pelo exemplo!”

Literatura para todas as idades

No áudio, você conhece mais detalhes da vida e obra da escritora e ouve detalhes sobre algumas das publicações dela voltadas ao público adulto, como “Infâmia” e “Tropical sol da liberdade”, além de saber um pouco mais sobre os próximos capítulos. Ainda neste ano de 2019, devem ser lançados dois títulos novos: um de poemas para crianças, “Brinco de listas”, e outro ainda sem nome, com poemas “mais filosóficos”, segundo a autora.

Ainda na conversa, ela comenta sobre o período em que foi detida e acabou se exilando, durante a ditadura, quando lecionava em escolas e faculdades. 

Créditos:
As músicas utilizadas na edição do podcast, por ordem de entrada, são: “Força Estranha” (Caetano Veloso), com Caetano Veloso e os filhos Moreno, Zeca e Tom; “Choro Bandido”, com Chico Buarque, “Suíte dos pescadores”, com Dorival Caymmi; “A melhor forma” (Sérgio Britto, Paulo Miklos e Branco Mello), com Titãs; “Desenredo”, com Dori Caymmi e Paulo César Pinheiro. A música de fundo é criada e tocada por Reynaldo Bessa.

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

wpDiscuz

Receba NossasNovidades