Celebrado em 1º de dezembro, o Dia Mundial da Luta Contra a AIDS é uma oportunidade de introduzir o tema na sala de aula. Contudo, agentes de prevenção e ativistas que palestram em escolas alertam sobre informações equivocadas que ainda circulam.

“A prevenção se tornou apenas ‘use camisinha’. Mesmo os professores desconhecem as novas tecnologias e os serviços disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS)”, aponta o agente de prevenção do Grupo de Incentivo à Vida (GIV), Rodrigo Paiva. “Além disso, viver com HIV, nos dias de hoje, é diferente do que nos anos 80 e 90”, reforça.

A seguir, os profissionais apontam as principais dúvidas e estereótipos nas falas de docentes e estudantes. Confira!

Indetectável = intrasmissível

A pessoa que vive com HIV, quando em tratamento, tem a possibilidade de ficar com a carga viral indetectável. “A quantidade de vírus circulante no seu sangue é tão pequena que não consegue mais ser detectada pelos exames. Após seis meses sem carga viral reconhecida, o paciente é considerado indetectável”, descreve Paiva. Desde 2016, estudos de amplo alcance atestaram que a pessoa indetectável é incapaz de transmitir o vírus em qualquer relação sexual.

Todos têm responsabilidade

Nem toda a pessoa em tratamento, contudo, ficará indetectável. Ainda assim, isso não impede o relacionamento entre parceiros sorodiferentes (quando apenas um é HIV positivo).

Na Profilaxia Pré-Exposição (PrEP), o parceiro negativo (sem o vírus) pode tomar um comprimido diário que combina os medicamentos tenofovir e emtricitabina, impedindo uma possível infecção. “A responsabilidade é compartilhada entre o casal”, lembra a artista plástica Mycaela Cirino.

O medicamento estará disponível, gratuitamente, pelo SUS a partir do dia 1 de dezembro de 2017 para casais sorodiferentes, homens gays, transgêneros e profissionais do sexo.

Camisinha não é a única forma de prevenção

Durante três décadas, a camisinha foi a única forma de prevenir o HIV. Contudo, hoje, a PrEP, a Profilaxia Pós-Exposição (PEP), a testagem e o próprio tratamento da pessoa soropositiva são vistos como medidas preventivas. “Falamos agora de prevenção combinada. A PrEP, por exemplo, é importante porque o indivíduo deixa de depender do parceiro para se proteger”, destaca o agente de prevenção do GIV, Alisson Barreto.

A Profilaxia Pós-Exposição (PEP) consiste em medicamentos retrovirais administrados até três dias após uma possível exposição ao vírus. O tratamento dura 28 dias.

O soropositivo não é culpado

Soropositiva por transmissão vertical (quando a mãe infecta o bebê durante a gestação), Mycaela conta questionamentos de educadores sobre a sua mãe. “Uma professora me perguntou ‘o que eu sentia pela minha progenitora por ter me passado HIV’. Naquele discurso, ele estava afastando a minha mãe do seu lugar de mãe e a culpava pela minha infecção”, revela. “O que eu explico é que há uma falha no sistema. Nos anos 80, foi construída uma ideia de que a AIDS era uma epidemia restrita a homens gays, não a heterossexuais”, esclarece.

Para o ator, ativista e youtuber, Gabriel Estrela, o estereótipo da pessoa que vive com HIV ainda recai sobre as relações. “Ainda há o mito de quem se infectou é promíscuo”, acrescenta.

Falar sobre sexo é falar de prazer

Durante uma conversa em uma turma de ensino médio, Gabriel notou um adolescente agressivo. “Quando perguntei se havia ali alguém que preferia transar sem camisinha, ele foi o único que levantou a mão. Só a partir dessa confissão, pudemos falar sobre outras formas de prevenção e ele se sentiu contemplado pela palestra. Mas, claro, sempre ressaltando o possível risco em cada uma delas. Mesmo a camisinha não é 100% eficiente”.

Para Estrela, há um desejo do jovem em falar sobre sexo. “Falar sobre prevenção ao HIV é falar sobre prazer, relacionamento e saúde de maneira abrangente. Não sobre medo e punição”, afirma. “Não se fala livremente sobre sexualidade na escola. A educação sexual é negada ou regada a questões religiosas e punitivas. Isso impede o fim do estigma e do preconceito”, completa Cirino.

Professores da rede pública da cidade de São Paulo, de qualquer disciplina, podem solicitar, gratuitamente, as palestras educativas do GIV pelo e-mail giv@giv.com.br.

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

wpDiscuz

Talvez Você Também Goste

Rock brasileiro dos anos 80 ajuda a entender parte da história do país

Músicas expressaram esperança com o fim da repressão e criticaram a manutenção de desigualdades

Professor não precisa de conhecimentos aprofundados em tecnologia para aplicar inovações

Para pesquisadora, aproveitar habilidades dos alunos supre dificuldades do docente

Livro reúne casos de gestão democrática em diversos contextos escolares

Publicação aponta que não é preciso ter condições ideais para promover ensino diferenciado

Ensino de educação financeira não se restringe à matemática

Projeto em escola pública também aborda história do dinheiro e consumo consciente

Receba NossasNovidades