Divulgado em 2018, o estudo “Decifrar o código”, da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), apontou que as mulheres correspondem a apenas 28% dos pesquisadores de ciências, tecnologia, engenharia e matemática (sigla Stem, em inglês). Além disso, apenas 17 mulheres receberam o Prêmio Nobel de Física, Química ou Medicina desde 1903, contra 572 homens.

Para a professora do Instituto de Física da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Thereza Paiva, a escola possui um papel fundamental para aproximar as garotas das áreas de Stem. Esse foi o motivo que a fez criar o projeto “Tem Menina no Circuito”, em parceria com as docentes Tatiana Rappoport e Elis Sinnecke. Desde 2014, o trio desenvolve atividades de eletrônica (construção de circuitos feitos com tecido, papel e massinha) com grupos de alunas do ensino médio de duas escolas públicas de Nova Iguaçu (RJ).

“Para que os educadores incentivem a participação das meninas nas ciências, o ideal é que haja um espaço na escola apenas para elas. Em atividades mistas, é comum os meninos tirarem sarro das alunas quando essas erram, e elas se retraem. Também vemos que, ao misturar alunos dos dois gêneros, os meninos tendem a tomar a frente, e as alunas também não se sentem à vontade para perguntar e tirar dúvidas”, relata Paiva.

Desde 2014, projeto incentiva a participação das meninas nas ciências desenvolvendo atividades de eletrônica com alunas do ensino médio

 

Ela também indica utilizar atividades lúdicas e materiais que fazem parte da rotina das estudantes para que elas se sintam incentivadas a participar. “Se o professor convidar para uma ‘oficina de eletrônica’, ninguém irá aparecer”, conta. “Optamos por trabalhar com circuitos em tecido e papel porque eles são coloridos, tem textura e são fáceis de manipular. É como uma massinha: todo aluno fica instigado a brincar com esse material”, compara.

Para docentes e alunas da rede pública que desejam aprender mais sobre eletrônica têxtil e em papel, as coordenadoras do “Tem Menina no Circuito” oferecem algumas atividades e orientações no blog do projeto.

Inclusão social pelas ciências

No Colégio Estadual Alfredo Neves, a iniciativa acontece no contraturno, sempre às quartas-feiras. “O ensino é integral e nesse dia as alunas não têm aula à tarde. Assim, as atividades acontecem nesse horário”, explica Paiva. Segundo ela, o projeto não tem objetivo de ser um reforço escolar. “É mão na massa mesmo, com conceitos que  se relacionam com conteúdos”.

Para ela, a parceria com a direção e professores da instituição de ensino é importante. “Por exemplo, para as alunas que participamo, a direção conseguiu que fosse ofertado almoço. Eles também são essenciais para conseguir autorização com os pais nas atividades que fazemos fora da escola, como ida a museus”, descreve.

Como para muitas meninas o ensino médio representa a última etapa da escolarização, o trio de docentes também utiliza o projeto para aproximá-las do ensino superior. “Levamos as participantes na UFRJ, trazemos palestras com pesquisadoras de outras áreas e promovemos conversas com as graduadas de física, que atuam como monitoras da iniciativa na escola. As alunas começam a perceber que isso pode ser para elas”, relata.

“Trabalhamos com circuitos em tecido e papel porque são materiais que fazem parte da rotina das estudantes e são fáceis de manipular”, explica Thereza Paiva

 

É o caso da ex-secundarista Gabriella Galdino, que participou do “Tem Menina no Circuito” nos dois primeiros anos do projeto, em 2014 e 2015. Ela decidiu cursar física e ingressou na UFRJ. “Eu sempre gostei de exatas, mas falava que física era difícil. Com as atividades, percebi que é uma área desafiadora, mas com a qual gostaria de trabalhar. Essa minha escolha profissional está relacionada totalmente com essa minha experiência”, confessa.

Trabalhar como monitora também ajudou a estudante a desenvolver a paixão pelo ensino. “Optei pelo curso de licenciatura, e não bacharelado. Gosto de lecionar”, conta.

 Veja mais:
Distância entre mulheres e tecnologia começa na escola
Matemática não é coisa de menina? Como o preconceito de gênero influencia o aprendizado
Confira iniciativas para inspirar alunas interessadas em tecnologia

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

wpDiscuz

Talvez Você Também Goste

Fim da possibilidade do Custo Aluno-Qualidade deve aumentar desigualdades educacionais, avaliam especialistas

CNE revogou, em março, parecer do próprio órgão que endossava esse mecanismo de financiamento

Música “Índios”, da Legião Urbana, sensibiliza alunos sobre colonização das Américas

“Letra e arranjos abordam diferenças culturais e processo de destruição dos povos nativos”, ensina professor

Sistema Nacional de Educação enfraquece sem secretaria que articule entes federados, analisam movimentos

Para profissionais da área, extinção da Sase deixa responsabilidades no financiamento do ensino em aberto

Fechamento de escolas do campo no Pará não considera particularidades da região, dizem especialistas

“Longas distâncias e falta de estradas afetam transferência e levam à evasão”, aponta pesquisador

Receba NossasNovidades