Léo tem sete anos e faz a lição de casa por meio de um aplicativo educativo. Enquanto estuda, consulta periodicamente as mensagens no WhatsApp e a quantidade de “curtidas” que obteve no Facebook. Além disso, observa seu irmão jogando videogame para saber quantas “vidas” restam. O resultado é que Léo apresenta problemas graves de aprendizagem – e a atenção está no cerne do problema.

“A crise na educação é uma crise de atenção”, decreta a pesquisadora canadense Catherine L´Ecuyer – autora do livro “Educar na Curiosidade” e palestrante do 3º Seminário Internacional de Educação Infantil (SIEI), ocorrido em São Paulo (13/12/17). “Por serem muito estimuladas, as crianças se sentem entediadas com a baixa sensibilidade do mundo real. Desenhos animados de hoje possuem até 59 quadros por minutos, contra sete das décadas anteriores. Assim, elas se desadaptaram da realidade”, enfatiza.

Particularidades

Segundo L´Ecuyer, a atenção envolve uma expectativa do que irá acontecer, sem filtro ou preconceito. Isso torna a criança e o jovem protagonistas do processo de aprendizagem. “Já a fascinação é passiva. A pessoa espera o que receberá, sendo constantemente estimulada pela tela”, explica.

A pesquisadora defende que, para os mais novos, a verdadeira atenção nasce do contato com a realidade. Assim, depende dos sentidos para acontecer. “A criança aprende por meio dos sentidos, porque não tem capacidade de abstração. Já o mundo virtual é como as sombras da Caverna de Platão: são apenas reflexos da realidade. Nesse sentido, é preciso descobrir a realidade como lugar privilegiado de aprendizagem”, complementa.

Recobrando a atenção

A primeira dica de Catherine L´Ecuyer para que a atenção beneficie a aprendizagem é desenvolver atividades pedagógicas que requerem paciência, como criar uma horta na escola ou reservar um horário de leitura. A segunda é estimular atividades desestruturadas, como as brincadeiras. “As crianças continuam curiosas, o que mudou foi a realidade. Elas enxergam o mundo mais por telas do que por janelas”, conclui.

Para completar, a pesquisadora indica que os alunos não executem diversas atividades simultâneas. “Eles intercalam a atenção dada a cada atividade, executando-as separadamente. Pesquisas mostram que pessoas multitarefas não conseguem guardar informações ou fazer boas escolhas baseadas na relevância”, justifica.

Por fim, os pais também devem dar o exemplo – principalmente no caso de filhos matriculados na Educação Infantil. “Quando a criança vê o objeto, ela olha imediatamente para o seu vínculo principal para saber se ele está olhando também e como é o seu olhar. Se o adulto não der atenção, ela também não dará”, resume. “Em um dia, uma criança tem até 100 interações trianguladas com pessoas mais velhas”, finaliza.

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

wpDiscuz

Talvez Você Também Goste

Grupos de ajuda formados por estudantes podem contribuir para a prevenção da violência na escola

Segundo educadora, alunos estão em locais e conversas fora do alcance de pais e professores

Documentário reflete sobre engajamento político dos alunos ao registrar eleições para grêmio estudantil

“Formar jovens para colaborar em sociedade exige fortalecer espaços de diálogo na escola”, opina diretora

Ensinar jovem a debater políticas públicas ajuda no combate às fake news

Em seminário, educadora Cláudia Costin defendeu educação cidadã, aproximando os alunos dos problemas do entorno

Receba NossasNovidades