Holden Caulfield é um jovem de 16 anos que, na década de 40, é expulso de um colégio interno após reprovar em diversas matérias. No regresso para a sua casa, onde precisará enfrentar seus pais, ele reflete sobre sua vida e procura a ajuda de pessoas que foram importantes na sua trajetória.

A história compõe o enredo do livro “O apanhador no Campo de Centeio” – clássico de Jerome David Salinger, de 1951, considerado um dos 100 melhores romances da língua inglesa pela Modern Library. Segundo o doutor em letras pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), André Ferreira Gomes de Carvalho, a obra é uma oportunidade para se discutir questões ligadas à adolescência com alunos dos últimos anos do ensino médio.

“É um período conflituoso em que os valores ‘verdadeiros’ e éticos dos indivíduos se confrontam e se ajustam com os valores do mundo adulto, geralmente indiferente. O romance de Salinger atualiza essa literatura, chamada de romances de formação, e dá a ela uma roupagem mais moderna e coloquial. É um livro interessante de ser lido por jovens, por mostrar uma jornada intensa, repleta de sentimentos confusos”, justifica.

Para Carvalho, que estudou o autor em sua dissertação de mestrado, as atitudes do personagem principal são ambivalentes e, de certa maneira, incompreensíveis. “Há uma sensibilidade do narrador, da forma como ele age, das contradições em que ele incorre. Ele quer se revoltar, ele quer agir como um adulto, quer ir ‘contra a sociedade’, mas ao mesmo tempo ele é puxado para o lar e para a família. Ele quer mostrar uma coisa, mas vive outra, especialmente em sua relação com as outras pessoas. Há muito afeto pelos amigos e pelas pessoas que conhece, mas também há sentimentos de repulsa e atitudes de ostracismo”, apresenta.

Em aula, o educador sugere que os alunos analisem e argumentem sobre coisas que gostam ou não gostam no personagem. “Ou seja, o que nele provoca simpatia ou antipatia”, exemplifica. “Também podem ser destacadas questões literárias. Há a construção de um narrador em primeira pessoa, não-confiável e que se apoia numa oralidade muito cara à literatura norte-americana”, conta.

Momentos históricos

Em 2019, é comemorado o centenário de J.D. Salinger, autor nascido em 1 de janeiro de 1919 e falecido em 2010. O americano também foi conhecido por ter lutado na Segunda Guerra Mundial e por ter sido um dos primeiros soldados a entrar no campo de concentração de Dachau, na Alemanha, onde viu de perto as atrocidades praticadas pelos nazistas.

“As questões históricas aparecem em detalhes em ‘O apanhador no campo de centeio’, como uma referência ao irmão de Holden, que lutou na guerra. A partir disso pode-se explorar em aula a biografia de Salinger “, sugere.

Sobre as demais produções do autor norte-americano, outra obra traduzida para o português e facilmente encontrada em bibliotecas e livrarias é “Nove Estórias” (1953). O livro reúne contos curtos e traz temas sérios, como suicídio e alcoolismo.

“Todos os contos são fáceis de serem lidos, no sentido de que usam uma linguagem coloquial e descrevem pouca ação. A dificuldade está em interpretá-los em sala de aula, já que muitas vezes o leitor pode não entender muito bem qual o tema predominante. Há muita coisa ‘oculta’, isto é, que não aparece em todos os seus contornos na primeira leitura”, orienta. “Os contos falam sobre dor e sofrimento, mas a leveza e a sagacidade do narrador compensam. O prazer literário é enorme”, garante.

Veja mais:
Livros de Zélia Gattai ajudam a entender imigração italiana e Estado Novo
“Para ensinar Manuel Bandeira, é necessário enxergar além das imagens simples”, diz pesquisadora
16 livros de literatura russa para conhecer

Crédito da imagem: stock-eye – iStock

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

wpDiscuz

Talvez Você Também Goste

EaD no ensino médio traz desafios para a realidade da educação brasileira

Educadores e empresário analisam prós e contras da medida homologada pelo MEC

“Obra de Salvador Dalí ajuda aluno a entender que o mundo é criado por nós”, diz especialista

Falecido há 30 anos, pintor surrealista apostou em imagens inconscientes e distorcidas

Peer instruction: metodologia ativa ensina física por meio da troca de conhecimento entre alunos

“Aprendizagem entre pares permite aula dinâmica e não apoiada em memorização”, diz professor

Conhecer o perfil da classe auxilia professor a elaborar plano didático eficiente

“Metodologia e conteúdo relacionados ao contexto do aluno tornam aprendizagem significativa”, diz educador

Receba NossasNovidades