A Política Nacional de Leitura e Escrita (Lei 13.696/18) foi sancionada em julho e reconhece as duas práticas como essenciais para a plena cidadania, tornando-as direitos do cidadão. A norma também fortalece o Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas, atualizando, ampliando e melhorando a acessibilidade de acervos físicos e digitais; estabelece o trabalho em conjunto entre governos federal, estaduais, municipais e sociedade civil, articula políticas de estímulo já existentes, e, principalmente, preconiza a criação de um novo Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL) a cada década, com metas e objetivos a serem conquistados por período.

“A importância da pauta é que ela é um marco legal que propõe ações articuladas entre os ministérios da cultura e da educação”, resume o autor do projeto de lei, José Castilho Marques Neto. “Ela atesta leitura, escrita, e pensamento articulado da palavra como competências essenciais para o mundo contemporâneo, criando agentes capazes de intervir nessa realidade de forma crítica”, complementa.

O novo PNLL será elaborado pelos ministérios da Cultura, Educação e sociedade civil nos seis primeiros meses de mandato do próximo presidente, em 2019. O Brasil já contou com um plano anterior, vigente entre 2006 e 2010.

“O prazo de uma década entende que a exclusão literária demorará diversas gestões governamentais para ser resolvida, exigindo, uma ação supra-partidária que oriente os programas sociais nos próximos anos “, destaca Castilho.

O tempo estipulado também permite que o papel das novas tecnologias seja repensado periodicamente. “Há dez anos, não poderíamos prever a popularização dos ebooks. Da mesma forma que, até 2029, não temos como saber em que novo suporte a leitura se desenvolverá”, justifica Castilho.

Em relação aos objetivos do plano, ele lembra que “apenas comprar livro não resolve”. “É preciso fortalecer as bibliotecas, formar agentes culturais e o público leitor. Assim, a política e o plano abrangem toda a cadeia literária: bibliotecas, escritores, editoras e sociedade civil”, acrescenta.

Desigualdades combatidas

Para a docente da Universidade Federal do Tocantins (UFT) e pesquisadora da Cátedra Unesco de Leitura, Valéria Medeiros, um dos principais ganhos da medida é a democratização. “Sem contato com a leitura, não teremos um país mais justo e menos desigual. E culturalmente, no Brasil, isso não é democrático”, contextualiza. “O PNLL buscará o acesso irrestrito à literatura, ao conhecimento, às tecnologias e ao desenvolvimento educacional, cultural e social para todas as classes sociais. Além disso, não se pode pensar no tema sem o tripé livro-leitor-biblioteca, algo que a lei se propõe”, comemora.

A política também incentiva a elaboração de versões municipais e estaduais para construção de uma rede. Por sua vez, ele deverá se alinhar as diretrizes do Plano Nacional da Educação (PNE), do Plano Nacional de Cultura (PNC), e do Plano Plurianual da União (PPA).

“O novo PNLL apontará possibilidades, mas não determinará especificamente de onde virão os recursos. Por exemplo, para modernizar uma determinada quantidade de bibliotecas, será necessária a articulação com o orçamento da união”, orienta Castilho.

Por fim, o especialista relembra o papel do professor na formação dessa nova rede de leitura. “Depois da família, o educador é o principal incentivador desse hábito na infância, segundo pesquisas”. “Vale ainda destacar que toda a lei expressa uma vontade da população, mas não sairá do papel sozinha. Por isso, a importância da classe docente estar ciente da elaboração dos planos nacionais, estaduais e municipais, ajudando a divulgá-los ou cobrando suas entidades representativas”, finaliza Castilho.

Crédito da imagem principal: Rawpixel – iStock

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

wpDiscuz

Talvez Você Também Goste

Dia da Amizade: ambiente escolar é importante espaço de socialização

Acompanhe a história de quem conheceu outras visões de mundo com antigos amigos da escola

Atividades lúdicas e espaço exclusivo na escola ajudam a aproximar meninas das ciências

Projeto “Tem Menina no Circuito” ensina eletrônica para alunas do ensino médio público do RJ

Pesquisar uso da matemática na profissão dos pais aproxima alunos da disciplina

Em escola pública de MS, estudantes relacionaram ocupações a conteúdos curriculares

Poesia musicada e produção de vídeos ajudam a trazer Hilda Hilst para sala de aula

Escritora, falecida há 15 anos, deixou legado de obras com reflexões existenciais e sociais

Receba NossasNovidades