O crítico literário e professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Alcir Pécora, costuma descrever a escritora Hilda Hilst como um “lobo solitário da cena literária brasileira”. Falecida em 4 de fevereiro de 2004, aos 73 anos, a autora dedicou praticamente sua vida inteira à arte – muitos desses anos vivendo na companhia de amigos no sítio Casa do Sol, em Campinas. Após a publicação de seu primeiro livro, “Presságio”, de 1950, foram mais de cinquenta anos escrevendo poesia, prosa de ficção, teatro e crônica.

A obra da escritora integrou um projeto do professor estagiário Elivelton Magalhães com alunos do 3° ano do ensino médio na Escola Estadual Ayrton Senna da Silva, em Boa Vista (RS). Sob a supervisão da docente do curso de letras da Universidade Federal de Roraima (UFRR), Sony Ferseck, ele apresentou à turma os poemas musicalizados por Zeca Baleiro para a obra “Ode descontínua e remota para flauta e oboé, de Ariana para Dionísio”.

“Hilda escreveu muitíssimo e sempre se reinventou. As temáticas da sua obra giram em torno do amor, do riso, da morte, da procura de Deus, entre outros. Tratava desde problemas metafísicos até a hipocrisia social, política e os estados extremos do ser humano”, apresenta Magalhães.

Para se aproximarem da autora, os alunos fizeram um seminário em grupo no qual apresentaram informações sobre a sua vida e sua obra. Eles ainda escolherem um poema de seu gosto para analisar e, ao final, produziram um vídeo sobre ele.

“Foi uma maneira de divulgar a poesia de Hilda para quem não conhece. Os vídeos foram gravados nas câmeras dos estudantes e ficaram bastante criativos”, conta o professor estagiário.

Desconstruindo estereótipos

Hilda, contudo, ainda não é uma autora muito lida no Brasil. Sua obra não é leitura obrigatória no currículo escolar tradicional e não costuma figurar em questões dos grandes vestibulares do país. De acordo com Ferseck, o projeto de Magalhães foi importante para estreitar os laços da turma com a escritora e ainda refletir sobre questões de gênero.

“Ela foi uma mulher que escreveu poesia. Pode parecer um assunto de menor relevância, mas não é. Sua obra ajuda os alunos a perceberem como o machismo faz com que poucas autoras e poetas figurem no cenário literário brasileiro. Isso ajuda a desestigmatizar, também, a poesia feita por mulheres, já que elas podem e devem versar sobre qualquer tema, sem que caiam no senso comum de que a escrita delas é piegas ou menos significativa.”

“Divulgar a obra de Hilda Hilst, particularmente em Roraima, é um grande impulso para que ela seja mais lida. A cultura leitora do estado ainda está em formação, o que acaba sendo um ponto positivo para que ela fique em pé de igualdade com autores considerados mais conhecidos”, enfatiza a professora.

Uso em sala de aula

Diferentes livros e poesias de Hilda Hilst podem ser utilizados com os alunos. Magalhães indica “Júbilo, memória, noviciado da paixão”; “Rútilos”, “Cascos e Carícias” e “Trovas de muito amor para um amado senhor” para os anos finais do ensino fundamental e os primeiros do ensino médio. “Os poemas musicalizados de ‘Ode descontínua’ são uma boa indicação para trabalhar a escritora nessa primeira etapa de ensino citada. Já para os mais velhos, sugiro ‘O rato no muro’, as crônicas de ‘Cascos & Carícias’ e os poemas de ‘Júbilo’”, complementa.

Quanto às temáticas, as obras de teatro da escritora apresentam um caráter de denúncia e crítica à ditadura militar. “A desigualdade social aparece em alguns de seus escritos, como nas crônicas de ‘Cascos & carícias e outros escritos’. Na sua poesia, podemos encontrar temas relacionados ao amor, como em ‘Amavisse’, e à morte em ‘Da morte. Odes mínimas’, entre outros”, conta.

Veja mais:
Intertextualidade do livro “A teus pés”, de Ana Cristina Cesar, é destacada por professor
Homenageada da Flip 2016: veja 10 indicações de obras de Ana Cristina Cesar
3 links para usar Caio Fernando Abreu em sala de aula
6 planos de aula para trabalhar poesia e poema com os alunos
Livro e CD homenageiam Caio Fernando Abreu e reúnem letras inéditas de escritores gaúchos

Atualizada em 6/2/19, às 15h40.

Crédito da imagem: Jose Luis Mora Fuentes/Acervo Instituto Hilda Hist

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

wpDiscuz

Talvez Você Também Goste

Fim da possibilidade do Custo Aluno-Qualidade deve aumentar desigualdades educacionais, avaliam especialistas

CNE revogou, em março, parecer do próprio órgão que endossava esse mecanismo de financiamento

Música “Índios”, da Legião Urbana, sensibiliza alunos sobre colonização das Américas

“Letra e arranjos abordam diferenças culturais e processo de destruição dos povos nativos”, ensina professor

Sistema Nacional de Educação enfraquece sem secretaria que articule entes federados, analisam movimentos

Para profissionais da área, extinção da Sase deixa responsabilidades no financiamento do ensino em aberto

Fechamento de escolas do campo no Pará não considera particularidades da região, dizem especialistas

“Longas distâncias e falta de estradas afetam transferência e levam à evasão”, aponta pesquisador

Receba NossasNovidades