Férias com pouco dinheiro, reunião pedagógica, desafios em sala de aula, relacionamento com alunos e colegas de trabalho. Temas que fazem parte do dia a dia de todo o professor se transformam em piada – no melhor sentido da palavra – nas mãos do humorista Diogo Almeida. Há dois anos, ele dedica seu canal de YouTube para produzir vídeos sobre a classe e roda o Brasil com o show de humor “Vida de Professor”. A inspiração para fazer rir vem de sua própria experiência com a docência: durante sete anos, lecionou e trabalhou na coordenação pedagógica de unidades do sistema “S” de ensino.

“Atuei em programas de aprendizagem e no Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), ensinando disciplinas voltadas à formação profissional e humana, como ética, cidadania, comunicação, empregabilidade e empreendedorismo”, lista.

Segundo ele, a iniciativa de ensinar surgiu como complemento de renda. Mas, em pouco tempo, aquele já era seu ofício principal. “Decidi me dedicar mais à docência, ir me capacitando e explorando esse universo. Claro que tem suas sofrências, mas proporciona também uma enorme gratificação. Acompanhar o crescimento dos alunos é algo muito especial”, destaca.

Humorista há oito anos, Almeida teve, um certo dia, a ideia de contar a sua experiência em um vídeo. A produção viralizou e ele passou a falar mais sobre o assunto. “Conto histórias que vivi e que recebo. As professoras são muito parceiras, me contam cada uma que é inacreditável. A fonte é ilimitada”, afirma.

Para compor os roteiros, ele ainda resgata da memória sua trajetória como estudante e relatos do tempo em que era casado com uma educadora. “Um casamento com alguém dessa área significa ter, a qualquer momento, uma atividade pedagógica ‘surpresa’ para fazer. Você acaba se tornado um auxiliar pedagógico por livre e espontânea pressão”, brinca.

“Além disso, os assuntos escolares fazem parte da rotina do casal: você acaba conhecendo a diretora, as mães de alunos e a secretária, porque todo dia sua esposa apresenta um TCC do dia dela pra você”, diverte-se.

“Docentes enxergam a si e os colegas nos textos”, relata o comediante Diogo Almeida

 

Identificação

Sucesso na internet e fora dela, Almeida recebe hoje pedidos dos educadores para fazer vídeos sobre profissionais de disciplinas específicas. “Me pedem textos para professores auxiliares, de inglês, educação física, de artes, até para outras funções dentro da escola, como merendeiras e secretaria”, revela. “Pretendo abordar todos os ofícios escolares nas próximas gravações. Já estou trabalhando nisso”, adianta ele, que ainda tem um novo show e um livro a caminho também.

Para o humorista, a razão do sucesso está na identificação dos docentes com os assuntos abordados. “As professoras não somente se enxergam naquele conteúdo, mas também conseguem identificar as colegas, a diretora, os estudantes e seus pais. Elas dizem que se divertem no dia a dia lembrando dos textos, que fazem piadas entre elas, que se identificam com situações que passaram e passam sempre, como quando encontram os alunos nas férias”, reflete.

Na plateia de suas apresentações, os fãs são professores de todas as idades. Recentemente, a conversa com uma expectadora aposentada e com 48 anos de docência lhe emocionou.

“Ela disse que tinha adorado a minha apresentação, que o stand-up foi algo diferente e divertido. Fiquei muito lisonjeado”, relembra. “Fico feliz que os educadores se divirtam com a realidade que vivem. Que olhem para o dia a dia, que não é fácil, e que riam dessas histórias. Essa é a melhor parte”, garante.

Crédito das imagens: divulgação

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

wpDiscuz

Talvez Você Também Goste

Movimento Arte na Escola defende obrigatoriedade da disciplina e novo currículo no ensino médio

“Habilidades oferecidas são fundamentais para profissionais do futuro”, diz representante

Formação inicial dos professores também pode aproveitar conhecimentos produzidos na escola

“Há um abismo entre o que a escola faz e a universidade propõe”, diz professor

Filme Ferrugem ajuda a abordar consequências do cyberbulling em adolescentes

“A obra possui elementos educativos que podem e devem ser discutidos na escola”, diz diretor

Receba NossasNovidades