Empoderamento por meio da dança. Este é um dos objetivos do projeto desenvolvido pela professora de história Cibelle de Paula Oliveira, na Escola Municipal de Ensino Fundamental Vinicius de Moraes, localizada no Jardim Tietê, zona leste de São Paulo (SP). O trabalho foi pensado para abordar a cultura afro-brasileira de maneira significativa para os estudantes.

Todo mês, uma dança é trabalhada em seus diferentes aspectos. Ritmos como caboclinho, congada, frevos, maculelê, entre outros, já foram estudados pelas turmas. A formação do repertório é feita por rodas de conversa que buscam valorizar a oralidade, meio de expressão por excelência das culturas indígenas e africanas.

Para o diretor da unidade, Moisés Basílio Leal, além das questões curriculares, trabalhos como esse são importantes para estimular reflexões sobre a identidade dos alunos por meio do estudo de aspectos históricos e de manifestações culturais de matriz afro-brasileira. “Há um senso comum na sociedade que desvaloriza a cultura negra. Então, para a criança, para o adolescente e suas famílias, esses temas são tabus”, afirma. “A criança que vem participar do projeto acaba se apropriando das histórias que vieram dos antepassados.”

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

wpDiscuz

Talvez Você Também Goste

“Escolas que praticam o protagonismo estudantil têm ambiente que favorece o diálogo”, diz Helena Singer

Saiba como trabalhar com os gráficos em sala de aula

Infraestrutura mínima nunca foi atingida nos prédios escolares, avalia pesquisadora

Receba NossasNovidades