Conteúdos

Badminton na Escola

Objetivos

Dimensão conceitual:
• Conhecer o BADMINTON na sua estrutura, nas suas regras, nos equipamentos e nas habilidades necessárias para jogar, mais precisamente o rebater.

Dimensão procedimental:
• Reconstruir o jogo (re-significá-lo) com o objetivo de praticá-lo na aula de educação física fazendo às adaptações necessárias nas variáveis regras, material, espaço, pessoas e gestos.

Dimensão atitudinal:
• Participar das propostas demonstrando envolvimento e capacidade de jogar em pequenos e grandes grupos.

Caro professor, antes de dar sequência às atividades sugeridas neste plano de aula acesse as abas "Para Organizar o seu Trabalho e Saber Mais" e "Material de Apoio".

1ª Etapa: Preparação da aula

Os materiais necessários para a realização das aulas são: Raquetes, petecas, redes, cordas elásticas, elásticos, giz e equipamento audiovisual. Se a escola não dispõe de equipamentos oficiais de Badminton, é possível construí-los com material reciclável ou adaptá-los. As petecas podem ser feitas somente com uma tampinha de garrafa pet, envolvida em meia folha de jornal ou ainda com bolinhas de isopor, palitos e plásticos (de sacolas) envolvendo os palitos. Para as raquetes, uma boa opção é criar com cabides e meias finas, como meia calça, para cobrir o arame. Faça o formato da raquete de Badminton e a meia, bem esticada, corresponderá à tela.



• A fase de preparação (antecipação) é fundamental. A sugestão é envolver os alunos no processo de confecção e separação do material e também na seleção do vídeo que será utilizado como base para a apresentação do “jogo” aos alunos (Dica: Como a aula terá foco na habilidade de rebater é importante que tenhamos um bom número de raquetes e petecas. Se possível uma raquete para cada aluno, pois isso irá garantir um tempo mínimo de “prática”);



• Aproveite o conhecimento que algum menino ou alguma menina pode ter sobre o esporte. Junto com o vídeo (consulte o Saiba Mais) podem ser apresentados fotos e desenhos que mostram como se joga;

2ª Etapa: Experimentação e Aprendizagem

• Inicie a aula na sala. Faça uma rápida introdução das suas expectativas para o dia e mostre o vídeo e o material disponível para introduzir o Badminton para a turma.  Esclareça as dúvidas (Quais as regras? Qual a estrutura do campo de jogo? Qual o equipamento necessário para jogar? Como se joga? Quais as habilidades básicas necessárias para jogar? Quais as formas mais utilizadas para rebater a peteca?) e explique os dois momentos da aula que acontecerão na quadra: 1º momento: Experimentação e 2º momento: Construção de mini jogos de Badminton.



• Quadra – 1º momento: Nos 15 minutos iniciais da aula estimule as possibilidades de “prática” com a raquete e a peteca. Lembre-se de que os meninos e as meninas têm níveis de habilidades diferentes na prática do “rebater”. Uma sugestão é trabalhar com “desafios” motores que envolvam: rebater várias vezes sem perder o controle da peteca, rebater a peteca cada vez mais alto, rebater a peteca parado e em movimento, rebater a peteca andando e correndo, rebater a peteca na horizontal e na vertical, rebater a peteca um para o outro, por cima da rede, etc.



• Quadra – 2º momento: Na segunda metade da aula é “hora” de jogar. A sugestão é que o grupo se divida em duplas, quartetos e sextetos. Peça para a turma construir campos de jogo utilizando o giz, as redes e as cordas elásticas.  A idéia é que sejam realizadas partidas de Badminton na configuração 1×1; 2×2; 3×3. As regras podem ser adaptadas a partir das necessidades de cada grupo (tamanho do campo, altura da rede, local do saque, etc).



• Neste momento de “jogo” procure circular pela quadra e faça interferências no sentido de ajudar a turma. Mostre as formas de rebater, recorde e explique as regras, contribua na estruturação e organização das equipes, etc.

3ª Etapa: Fechamento e Avaliação

• Para finalizar faça uma roda de conversa com o grupo e procure avaliar como foi a aula. Uma boa roda de conversa sempre tem “boas” perguntas: Qual era o objetivo da aula? Ele foi alcançado? Conseguimos jogar Badminton? Quais as dificuldades encontradas? Tivemos um bom tempo de prática? Vocês conseguiram rebater a peteca com precisão e boa coordenação? Gostariam de continuar jogando? Quais as sugestões para uma próxima aula sobre o tema?



• Para a avaliação é sempre importante olhar para os objetivos da aula. A proposta é que os alunos possam jogar o Badminton, fazendo as adaptações necessárias para a realidade da escola. Alguns indicadores de avaliação (pensados como perguntas) podem ajudar neste momento: Todos os alunos participaram da proposta? Eles sentiram-se motivados com as atividades? O material disponível permitiu a participação ativa dos alunos? O tempo de aula foi suficiente para que pudessem praticar o esporte? Conseguiram identificar as diferentes formas de rebater a peteca no jogo? Conseguiram formar os grupos e jogar? O jogo saiu da “vontade” para a “prática”?



• Você professor deve coordenar esta roda de conversa, registrar os depoimentos e depois fazer uma síntese para o grupo de alunos.

4ª Etapa: Preparação da aula

Os materiais necessários para a realização das aulas são: Raquetes, petecas, redes, cordas elásticas, elásticos, giz e equipamento audiovisual. Se a escola não dispõe de equipamentos oficiais de Badminton, é possível construí-los com material reciclável ou adaptá-los. As petecas podem ser feitas somente com uma tampinha de garrafa pet, envolvida em meia folha de jornal ou ainda com bolinhas de isopor, palitos e plásticos (de sacolas) envolvendo os palitos. Para as raquetes, uma boa opção é criar com cabides e meias finas, como meia calça, para cobrir o arame. Faça o formato da raquete de Badminton e a meia, bem esticada, corresponderá à tela.



• A fase de preparação (antecipação) é fundamental. A sugestão é envolver os alunos no processo de confecção e separação do material e também na seleção do vídeo que será utilizado como base para a apresentação do “jogo” aos alunos (Dica: Como a aula terá foco na habilidade de rebater é importante que tenhamos um bom número de raquetes e petecas. Se possível uma raquete para cada aluno, pois isso irá garantir um tempo mínimo de “prática”);



• Aproveite o conhecimento que algum menino ou alguma menina pode ter sobre o esporte. Junto com o vídeo (consulte o Saiba Mais) podem ser apresentados fotos e desenhos que mostram como se joga;

5ª Etapa: Experimentação e Aprendizagem

6ª Etapa: Fechamento e Avaliação

• Para finalizar faça uma roda de conversa com o grupo e procure avaliar como foi a aula. Uma boa roda de conversa sempre tem “boas” perguntas: Qual era o objetivo da aula? Ele foi alcançado? Conseguimos jogar Badminton? Quais as dificuldades encontradas? Tivemos um bom tempo de prática? Vocês conseguiram rebater a peteca com precisão e boa coordenação? Gostariam de continuar jogando? Quais as sugestões para uma próxima aula sobre o tema?



• Para a avaliação é sempre importante olhar para os objetivos da aula. A proposta é que os alunos possam jogar o Badminton, fazendo as adaptações necessárias para a realidade da escola. Alguns indicadores de avaliação (pensados como perguntas) podem ajudar neste momento: Todos os alunos participaram da proposta? Eles sentiram-se motivados com as atividades? O material disponível permitiu a participação ativa dos alunos? O tempo de aula foi suficiente para que pudessem praticar o esporte? Conseguiram identificar as diferentes formas de rebater a peteca no jogo? Conseguiram formar os grupos e jogar? O jogo saiu da “vontade” para a “prática”?



• Você professor deve coordenar esta roda de conversa, registrar os depoimentos e depois fazer uma síntese para o grupo de alunos.

Materiais Relacionados

O vídeo sugerido a seguir mostra a estrutura básica da quadra, os equipamentos e o “funcionamento” do jogo.

Badminton
 

Arquivos anexados

  1. Badminton na Escola

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

wpDiscuz

Talvez Você Também Goste

Canudos: Primeira República – os conflitos

Entenda a origem dessa guerra e também sobre o Coronelismo no Nordeste do Brasil

Avatar Autor: Júlia Bittencourt

Realidade indígena no Brasil

Plano de aula aborda parte da história dos povos nativos do país

Avatar Autor: Júlia Bittencourt

Fluxos migratórios: Movimentos populacionais

Entenda quais são os motivos e as questões geográficas envolvidas nas migrações

Avatar Autor: Professora Júlia Bittencourt

Alfabetizando com a biografia do Ziraldo

Saiba como utilizar a história do autor para ensinar a escrever e ler

Avatar Autor: Professora Iracema Mendes Santos Alves

Receba NossasNovidades