Conteúdos

Dando Bola para as Bolas.

Objetivos

Dimensão conceitual:
• Conhecer os diferentes esportes da cultura que são praticados com a bola;
• Identificar quais as habilidades motoras de manipulação presentes nos diferentes esportes;
• Identificar as semelhanças e as diferenças entre os esportes com bola, classificando-os quanto a critérios como tipos de bolas, gestos realizados, principais regras e possíveis variações.

Dimensão procedimental:
• Aperfeiçoar as habilidades básicas de manipulação presentes nos diferentes esportes como arremessar, receber, quicar, chutar e rebater;
• Melhorar a coordenação motora e diversificar as possibilidades de manipulação da bola para jogar com cada vez mais habilidade e desempenho motor;
• Construir novas possibilidades de exploração dos movimentos com a bola na prática dos diferentes esportes;
• Criar novas variações dos esportes estudados, adaptando-os à realidade escolar (espaço, materiais, número de alunos, freqüência e duração das aulas, etc).

Dimensão atitudinal:
• Valorizar a aula de educação física como um espaço de participação e inclusão de todos;
• Participar ativamente das aulas, com disponibilidade para as trocas, a convivência em grupo e a construção coletiva;
• Respeitar as diferentes formas de jogar de cada um, seus potenciais e suas limitações.

Caro professor, consulte a aba Para Organizar o seu Trabalho e Saber Mais e acesse o material sugerido.
 

1ª Etapa: Fechamento/ Conclusão: “Avaliação das aprendizagens”

• Para finalizar esta seqüência de aulas uma boa atividade pode ser a realização de um festival com os esportes/jogos preferidos das crianças. Desta forma os alunos podem compartilhar as aprendizagens construídas durante as aulas;



• A organização do festival pode ser realizada em conjunto com as crianças e a comunidade escolar pode ser convidada a participar. Por que não convidar outra turma, funcionários e os pais? Os alunos podem participar ativamente nas funções de selecionar os esportes, preparar os campos de jogo, separar o material e arbitrar os jogos;



• Após a realização do festival, vale sentar com as meninas e os meninos para fazer uma avaliação final de todo o processo de aprendizagem. A partir dos registros realizados no diário de bordo os alunos serão convidados a fazer uma reflexão sobre quais eram os objetivos e se foram alcançados. Perguntas podem ser feitas para mobilizar a participação da turma: Vocês se lembram de quais eram os nossos objetivos? Eles foram alcançados? Conseguimos praticar os esportes selecionados no início dos trabalhos? Vocês aprenderam a praticar novos esportes com bola? Quais foram eles?  Quais as habilidades motoras predominantes em cada esporte? Como foi jogar com bolas diferentes? Quais os esportes que acharam mais difícil de praticar? E os mais fáceis? Todos participaram ativamente das aulas? Como foi praticar esportes em um grupo com pessoas que têm diferentes habilidades? Gostariam de continuar jogando? Quais as sugestões para uma próxima aula sobre o tema?



• É importante não esquecer que esta seqüência tinha foco na aprendizagem e aperfeiçoamento das habilidades motoras de manipulação. Por isso sugerimos praticar esportes com habilidades e com bolas diferentes. Está estratégia funcionou? É possível afirmar que as crianças evoluíram nas suas habilidades?



• Você professor deve coordenar estas rodas de conversa, registrar os depoimentos e depois fazer uma síntese para o grupo de alunos.

2ª Etapa: Como fazer bola de meia!

 

3ª Etapa: Início de Conversa


• Antes de iniciar a seqüência das aulas é importante cuidar e preparar o ambiente de aprendizagem das crianças, organizar o que chamamos de uma “biblioteca” de bolas. O sucesso da proposta está diretamente ligado à relação quantidade de bolas e quantidade de alunos. Como esta seqüência tem seu foco no desenvolvimento da motricidade, é essencial que os alunos tenham bolas suficientes para brincar e praticar. Providencie bolas de diferentes tamanhos, pesos, cores, texturas, etc. Convide os alunos a colaborar, trazendo bolas para a escola nos dias das aulas. Bolas de meia e bolas de pano podem ser confeccionadas com a ajuda dos alunos e da comunidade escolar para aumentar o acervo de material pedagógico disponível nas aulas de educação física (veja a orientação no Material de Apoio).



• O esporte, quando ensinado para os meninos e as meninas do 1º ao 5º ano, deve ser pensado como uma manifestação do jogo. Isso significa que adaptações e diversificações nas regras, nos acordos, nos espaços, nos materiais e nos gestos devem ser feitas para que todos sejam incluídos nas aulas. Dizemos que a brincadeira é o jogo da criança e o esporte o jogo do adulto. As crianças podem brincar, mas não conseguem fazer esporte; os maiores, por outro lado, podem fazer esporte, conservando as possibilidades de brincar. No processo de alfabetização corporal o esporte é visto como um conteúdo, como um meio para uma educação integrada nas dimensões do saber, do ser e do fazer. Nas séries iniciais do Ensino Fundamental a palavra chave é AMPLIAR, ou seja, conhecer os diferentes esportes e as suas possibilidades de prática dentro do espaço escolar. O desafio está em fazer com que todas as crianças tenham a oportunidade de acesso às diferentes manifestações que compõem a cultura corporal de movimento.



• Aqui propomos jogos com bola, brinquedo que exerce fascínio e faz parte da cultura infantil. Quem nunca ouviu das crianças no início das aulas perguntas do tipo: Qual o jogo de hoje? Vamos jogar bola? Trouxe as bolas professor? Qual esporte iremos aprender?



• A criança bem alfabetizada corporalmente pode e deve desenvolver competências voltadas para a prática e o desempenho das habilidades motoras. Não estamos falando de desempenho na perspectiva do esporte de rendimento, mas sim na possibilidade de praticar esportes com o mínimo de competência e habilidade motora. O desafio está em ensinar esporte para todos, ou melhor, ensinar bem o esporte para todos. A ênfase das aulas estará na dimensão do fazer, ou seja, na aprendizagem e no desenvolvimento das habilidades motoras que estruturam a prática dos diferentes esportes com bola.

4ª Etapa: Entrando em campo

• Apresente a proposta para as crianças e diga quais são as suas expectativas de aprendizagem para as próximas aulas. Isso pode ser feito em uma roda de conversa, com as crianças sentadas ao seu lado. Aproveite a oportunidade para fazer um diagnóstico sobre aquilo que as crianças já sabem sobre o tema das aulas. Pergunte aos alunos quais são os esportes que conhecem, aqueles que praticam em casa e também na escola. É importante registrar as respostas em um “Diário de bordo”, pois é a partir das anotações que as aulas da etapa seguinte serão organizadas;



• Peça para as crianças selecionarem os esportes com bola, mais precisamente aqueles que eles acreditam podem ser praticados na escola. É importante escolher uma diversidade de esportes que envolvam as diferentes habilidades motoras de manipulação. É essencial escolher “jogos” que se aproximam dos esportes ditos “oficiais” e que as crianças consigam “jogar”. Eis alguns exemplos: Futebol – bobinho, três dentro/três fora, rebatida, gol caixote; Basquete: vinte e um, relojinho, bola ao cesto; Vôlei – câmbio, vôlei no escuro, mini-volei, etc;



• Procure orientar os trabalhos e construa uma rotina de aula com as crianças. Combine as regras e explicite os principais aspectos que devem ser valorizados pelos grupos: participação de todos, cuidados com a segurança e o respeito de uns com os outros nos potenciais.



• Aproveite as primeiras aulas para experimentar alguns dos esportes selecionados em conjunto com as crianças. Nestas primeiras vivências procure observar o comportamento dos alunos e registre no seu diário de bordo os conhecimentos já adquiridos sobre os esportes com bola: principais regras, estrutura dos jogos, principais gestos de cada esporte, tipos de bolas utilizadas, organização no espaço, etc;



• Para finalizar esta etapa elabore uma linha do tempo dos esportes com bola que serão estudados ao longo das aulas. Sugerimos um jogo/esporte para cada habilidade motora. Exemplos: um jogo de arremessar e receber, um jogo de chutar, um jogo de quicar e um jogo de rebater. É importante garantir duas ou três aulas para o estudo de cada esporte.

5ª Etapa: Desenvolvimento: “É jogando que se aprende”

• Inicie esta etapa apresentando a linha do tempo para as crianças. Após a prática dos jogos, proponha  “rodas de conversa” para favorecer a compreensão das crianças sobre os esportes estudados. Nestes momentos faça perguntas que possam ajudar os meninos e as meninas a identificar quais as habilidades motoras de manipulação, presentes nos diferentes esportes e quais as semelhanças e as diferenças entre os esportes com bola quanto a critérios como tipos de bolas, gestos realizados, principais regras e possíveis variações. Não se esqueça do seu diário de bordo para registrar as respostas dos alunos;



• Procure sempre garantir um bom tempo de prática para que as crianças possam ir aperfeiçoando as suas habilidades de manipulação. Esteja atento para que todos participem ativamente dos jogos. Lembra-se daquelas bolas que sugerimos acima? Então, na etapa de desenvolvimento a idéia é investir bastante na diversificação das bolas utilizadas durante os jogos. Convide os alunos a jogar com bolas diferentes para que possam evoluir nas suas coordenações motoras e assim jogar com cada vez mais habilidade e desempenho motor;



• É importante apurar o senso de observação para avaliar se os alunos estão realmente evoluindo na capacidade de jogar cada vez melhor. Neste momento vale pensar em indicadores como a qualidade da execução dos gestos, a capacidade de executar as habilidades de forma variada e com eficiência;



• Para adaptar os jogos à realidade escolar, construa coletivamente com as crianças diversificações nas variáveis espaço (tamanho do campo), bolas, número de alunos nas equipes, gestos e movimentos, etc;

 

Materiais Relacionados

Quer saber um pouco mais sobre a didática e a pedagogia do esporte na escola? O vídeo sugerido pode contribuir para ampliar as possibilidades de ensino do esporte a partir do princípio de que jogar se aprende “jogando”. A idéia é romper com a pedagogia onde os alunos aprendem e praticam o esporte a partir de exercícios sem sentido e significado. Aprenda sobre quais os critérios para a escolha de bons jogos.

Vídeo: Esporte Educacional 2

“Professor é profissão de quem estuda”. Para estudar e saber mais sobre a pedagogia do esporte na escola, indicamos o Livro “Pedagogia do futebol”. Neste livro você vai encontrar boas dicas de como ensinar o esporte a partir das brincadeiras que fazem parte da cultura infantil.
FREIRE, João Batista Freire – Pedagogia do Futebol.  São Paulo: Editora Autores Associados, 2011 

Arquivos anexados

  1. Dando Bola para as Bolas

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

wpDiscuz

Talvez Você Também Goste

Canudos: Primeira República – os conflitos

Entenda a origem dessa guerra e também sobre o Coronelismo no Nordeste do Brasil

Avatar Autor: Júlia Bittencourt

Realidade indígena no Brasil

Plano de aula aborda parte da história dos povos nativos do país

Avatar Autor: Júlia Bittencourt

Fluxos migratórios: Movimentos populacionais

Entenda quais são os motivos e as questões geográficas envolvidas nas migrações

Avatar Autor: Professora Júlia Bittencourt

Alfabetizando com a biografia do Ziraldo

Saiba como utilizar a história do autor para ensinar a escrever e ler

Avatar Autor: Professora Iracema Mendes Santos Alves

Receba NossasNovidades