Conteúdos

Ensaio Sobre a Cegueira e O Bicho

Objetivos

Compreender Ensaio sobre a Cegueira, de José Saramago, como uma alegoria representativa da animalização a que pode chegar o homem moderno.
Refletir sobre as relações entre a cegueira representada no livro e a falta de racionalismo do homem contemporâneo.
Em função do tema a barbárie e da miséria, presente no livro, comparar Ensaio sobre a Cegueira com o poema O Bicho, do poeta brasileiro Manuel Bandeira.

1ª Etapa: Aproximação do tema.

Quando da premiação de José Saramago com o Nobel de Literatura em 1998, um entrevistador fez a seguinte pergunta para o autor:

Pergunta: Este prêmio dá-lhe alguma responsabilidade particular?

Saramago: Vou tornar-me mais visível e mais audível. E como tenho o hábito de dizer o que penso, vou continuar, de maneira responsável. Sinto o dever moral de dizer que este mundo é uma catástrofe. Milhões de pessoas a morrerem de fome e outros a enviarem robôs para Marte. É terrível porque acabamos por dizer que é mais fácil ir a outro planeta que em direção ao nosso semelhante. E isso não tem sentido.

A partir da resposta acima, pergunte aos alunos o que esperam de Ensaio sobre a cegueira.

2ª Etapa: Aproximação do livro.

Introduza a aula explicando que Ensaio sobre A Cegueira é um dos livros representativos da literatura contemporânea européia. O autor, José Saramago, é prêmio Nobel de Literatura e constantemente visitava o Brasil, onde tinha amigos como o fotógrafo Sebastião Salgado e o músico e escritor Chico Buarque. Comente também que:

• Ensaio sobre a Cegueira foi publicado em 1995. No livro, Saramago  constrói uma  alegoria para mostrar o avesso da condição humana.

• No livro, o autor mostra a animalização a que o homem pode chegar quando exposto a determinadas condições de degradação.

• O autor se valeu da imagem da cegueira para tentar denunciar o homem a ele mesmo. Por isso o livro chega a ser assustador. Como o autor mesmo disse, o livro é duro e carrega o sofrimento do começo ao fim.

• Segundo Saramago, a cegueira representada no livro não é real, e sim uma cegueira do racionalismo. Nas palavras do autor, somos seres racionais, mas não agimos de um modo racional. Se o fizéssemos, disse ele certa vez, não haveria fome no mundo.  

Ensaio Sobre a Cegueira foi adaptado para o cinema e lançado em 2008. Produzido no Japão, Brasil, Uruguai e Canadá, foi dirigido por Fernando Meirelles (realizador de O Fiel Jardineiro e Cidade de Deus).

3ª Etapa: Introdução à leitura.


Agora, leia para os alunos o seguinte trecho extraído do início do livro:

O sinal verde acendeu-se enfim, bruscamente os carros arrancaram, mas logo se notou que não tinham arrancado todos por igual. O primeiro da fila do meio está parado, deve haver ali um problema mecânico qualquer, (…) se é que não se lhe acabou simplesmente a gasolina, não seria a primeira vez que se dava o caso.(…). Alguns condutores já saltaram para a rua, batem furiosamente nos vidros fechados, o homem que está lá dentro vira a cabeça para eles, a um lado, a outro, vê-se que grita qualquer coisa, pelos movimentos da boca percebe-se que repete uma palavra, uma não duas, assim é realmente, consoante se vai ficar a saber quando alguém, enfim,conseguir abrir uma porta, Estou cego.

Agora, peça para eles se colocarem na situação do motorista que fica cego e não consegue dirigir o carro. O que eles fariam numa situação dessas? Solicite que escrevam e em seguida, que leiam as observações realizadas.

4ª Etapa: Leitura do livro.

Acesse o link sugerido no item 1 de “Para organizar seu trabalho” e inicie a leitura compartilhada da obra. Essa dinâmica consiste em dividir, com o grupo, a leitura do livro. Em conformidade com o perfil da turma, vá solicitando, aos poucos, a leitura dos capítulos para casa. Reserve por volta de 4 semanas para essas atividades, cuidando para que, após cada leitura realizada em casa pelos alunos, sejam feitas acompanhamentos e complementações em sala de aula. A seguir, sugerem-se observações que podem ser realizadas quando do momento dessas atividades.

Elementos da narrativa:

• O narrador é observador e onisciente ao mesmo tempo. Ele é observador porque não participa da história. É onisciente porque escolheu, além do seu próprio olhar, o olhar da mulher do médico para direcionar o olhar do leitor. Vale lembrar que a mulher do médico é a única personagem não acometida pela cegueira branca.

• As personagens não têm nomes. Para identificá-las, o narrador se vale de observações sobre a aparência física, sobre a função social delas, sobre as profissões que exerciam antes de ficarem cegas.

• Não há marcas definidoras de tempo e espaço. O espaço é uma metrópole moderna; o tempo, a contemporaneidade.

• As personagens são obrigadas a viver em situações degradantes. Ao longo do livro, o humano vai perdendo sua condição humana e vai se aproximando da condição animalizante.

• Com o desenrolar dos acontecimentos, as máscaras das personagens, assim como sua função social vão perdendo a importância. Os nomes e os códigos sociais também começam a se perder em um microcosmo governado pelos sentidos.

• A falta de luz interior cederá lugar a uma reflexão sobre quem somos e o que representamos no mundo.

5ª Etapa: Relações entre textos.

Finalizadas as atividades de leitura, apresente para os alunos os seguintes comentários de José Saramago. Peça para escreverem as observações e, em seguida, para lerem as observações realizadas:

I

"O livro é apenas uma pálida imagem da nossa realidade. A verdade é que o instinto dos animais defende melhor a vida do que a nossa razão, que, pelo contrário, tem servido para dominar, humilhar, explorar o outro. É evidente que o mundo é violento, não há nada a fazer. Mas nós acrescentamos à violência a crueldade, que é uma invenção humana. Portanto, às pessoas que diziam não suportar a leitura do meu livro, eu respondo com a pergunta: vocês não conseguem ler este livro, mas conseguem viver neste mundo?”

 

II     

Tão longe estamos do mundo que não tarda que comecemos a não saber quem somos, nem nos lembrarmos sequer de dizer-nos como nos chamamos, e para quê, para que iriam servir- nos os nomes. Nenhum cão reconhece outro cão, ou se lhe dá a conhecer, pelos nomes que lhes foram postos, é pelo cheiro que identifica e se dá a identificar, nós aqui somos como uma outra raça de cães. Conhecemo-nos pelo ladrar, pelo falar, o resto – feições, cor dos olhos, da pele, do cabelo – não conta, é como se não existisse. Eu ainda vejo, mas até quando?

 

6ª Etapa: Atividades.

Depois, apresente aos alunos o seguinte poema de Manuel Bandeira e pergunte que relações podem ser estabelecidas entre o livro de José Saramago, os trechos I e II, transcritos anteriormente, e o poema O bicho. Peça para os alunos escreverem e em seguida, lerem as observações realizadas.


O bicho

Vi ontem um bicho

Na imundície do pátio

Catando comida entre os detritos.

Quando achava alguma coisa,

Não examinava nem cheirava:

Engolia com voracidade.

O bicho não era um cão

Não era um gato,

Não era um rato.

O bicho, meu Deus, era um homem.

Nessa atividade, complemente as observações dos alunos com as seguintes observações:

• Os versos têm caráter direto, objetivo e sucinto.

• Há ausência de adjetivação na caracterização de O bicho.

• Há a presença das aliterações no último verso, expressas pela repetição das consoantes “c” e “d”  (catando comida) contribuindo para a expressividade do poema.

• As repetições sonoras das consoantes “r” e “t” em “entre detritos” sugerem uma mastigação voraz por parte do “animal”.

• O alimento para o bicho é denominado “coisa”, ou seja, não se restringe apenas à comida.

• A dupla negação (não examinava nem cheirava) reforça a miséria e a brutalidade caracterizadoras de O bicho.

• Há a sugestão, nas três estrofes, de que o bicho não seleciona o seu alimento: quando acha alguma coisa, engole-a com voracidade.

•  O substantivo  “voracidade”, tem o mesmo radical de voraz, adjetivo usado para bichos selvagens, ferozes.

• A partir da negação reiterada nos versos, que engloba os predicativos do sujeito, e de uma seqüência nominal bastante significativa (cão, gato e rato), o leitor vai se surpreendendo e  se indignando  tanto quanto o eu lírico.  A culminância desse processo, no entanto, só se dá no último verso com uma idéia supostamente já conhecida pelo leitor.

Sobre os últimos versos, podem ser, ainda, perguntados aos alunos:

• Que sentimento esses versos sugerem?

• Qual a expressão que indica esse sentimento?

• Como deve ser gramaticalmente classificada essa expressão?

• De que maneira a classificação gramatical dessa expressão contribui para o sentimento do eu lírico?

7ª Etapa: Fechamento

Solicite aos alunos que escolham trechos do livro de José Saramago e componham uma história em quadrinhos. Nessa história, peça para deixarem em evidência a relação entre o livro e o poema O bicho, de Manuel Bandeira.

 

Materiais Relacionados

1. Para ter acesso à leitura de Ensaio sobre a Cegueira na íntegra, veja o link http://www.planonacionaldeleitura.gov.pt/clubedeleituras/upload/e_livros/clle000123.pdf
2. No portal http://g1.globo.com/pop-arte/noticia/2010/06/sebastiao-salgado você tem acesso a fotografias de José Saramago pelas lentes do fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado. Vale a pena conferi-las.
3. Em http://www.youtube.com/watch?v=6wyj1V-aKVc há o trailer do filme Ensaio sobre a Cegueira, do diretor brasileiro Fernando Meireles. Assista!
4. Nos links:
http://oglobo.globo.com/mundo/mat/2008/05/15/_ensaio_sobre_cegueira_deprimente_diz_times_-427389920.asp
 http://interfilmes.com/filme_19345_Ensaio.sobre.a.Cegueira-(Blindness).html pode-se ler resenhas e sinopses sobre o filme Ensaio sobre a Cegueira.
5. O blog de Fernando Meireles, http://blogdeblindness.blogspot.com/ apresenta comentários do diretor sobre a época de realização do filme. Vale a pena conferir.
6. Sobre Manuel Bandeira, acesse http://www.releituras.com/mbandeira_bio.asp  e obtenha dados sobre a vida e a obra de Manuel Bandeira.
7. Acesse o link http://www.revista.agulha.nom.br/manuelbandeira03.html e leia, além de O bicho, outros poemas do autor Manuel Bandeira.
8. No link http://www.webartigos.com/articles/9839/1/O-Poema-O-Bicho/pagina1.html você encontra uma análise interessante sobre O bicho. Confira!
9. Acesse http://www.google.com.br/images?q=o+bicho+manuel+Bandeira&btnG=Pesquisar&hl=pt-BR&source=hp&aq=f&aqi=g7&aql=f&oq=&oi=image_result_group&sa=X  e encontre várias imagens que podem ilustrar o poema de Manuel Bandeira.
 

Idealização e Edição Final NET EDUCAÇÃO | Plano de aula: Ensaio Sobre a Cegueira e O Bicho. Profa. Ms. Evaneide Nóbrega de Albuquerque.

Arquivos anexados

  1. Ensaio Sobre a Cegueira e O Bicho

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

wpDiscuz

Talvez Você Também Goste

A luta dos povos indígenas pelo direito à terra

Representatividade política versus a expansão do agronegócio

Avatar Autor: Ana Lúcia de Araújo Guerrero

Receba NossasNovidades