O Instituto NET Claro Embratel, ciente da sua responsabilidade social, defende ações que promovam transformações na sociedade. Por isso, no dia 11 de fevereiro, apoia o Dia Internacional das Meninas e Mulheres na Ciência. A data foi criada pela Organização das Nações Unidas (ONU) com o objetivo de valorizar e mostrar a importância do público feminino no âmbito científico. A comemoração é iniciativa da ONU Mulheres, que promove o empoderamento, a igualdade de gênero, a valorização e o fortalecimento dos esforços em defesa dos direitos humanos das mulheres.

Segundo a ONU, atualmente, cerca de 30% dos profissionais da ciência são do gênero feminino. Esse dado mostra a disparidade de oportunidades que existe na área. Para a instituição, a presença da mulher é fundamental para que as metas da Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável sejam cumpridas. A agenda é um plano de ações que possui tarefas que pretendem erradicar a pobreza, a fome, proteger o meio ambiente e garantir uma vida próspera aos cidadãos do mundo.

Para Irina Bokova, diretora-geral da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco), “a humanidade não pode ignorar a metade de seu gênio criativo”.

Ressaltando essa questão, no Campus Mobile, projeto de empreendedorismo e tecnologia do Instituto NET Claro Embratel, a edição atual teve 34 equipes de mulheres inscritas, das quais, 26 participaram da semana presencial, que é um processo de imersão para adaptação e aperfeiçoamento dos trabalhos dos jovens.

“Apesar de ainda serem minoria, 34 equipes de mulheres inscritas é um número que mostra que a presença feminina na ciência e na área do empreendedorismo e tecnologia vem ganhando força, e temos orgulho que o Campus Mobile seja parte desse movimento”, afirma Daniely Gomiero, vice-presidente de projetos do Instituto NET Claro Embratel.

Outro dado que reforça a questão das mulheres na ciência, no Dupla Escola, programa de formação técnica e profissionalizante na área de telecomunicações apoiado pelo Instituto, cerca de 60% do grupo que se formou em 2017 eram mulheres. Caroline Gomes, ex-aluna do projeto, disse que se sentiu orgulhosa por ser membro de uma turma em que a maioria de formadas foram mulheres. Ela disse, ainda, que há preconceito, mas que existe também admiração e incentivo de pessoas que acreditam no potencial feminino.

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!

wpDiscuz

Talvez Você Também Goste

Notícias

Teleton 2018 conta com apoio do Instituto NET Claro Embratel

Iniciativa oferece canal para que clientes NET HD realizem doações diretamente pelo controle remoto

há 3 dias
Notícias

Programa do Instituto NET Claro Embratel é vencedor regional do 44º Prêmio Aberje

Dupla Escola foi selecionado na categoria Comunicação e Relacionamento com a Sociedade pela região ES/RJ

há 1 semana
Notícias

Estão abertas as inscrições para o prêmio Carlos Slim em Saúde

Oferecida desde 2007, premiação já recebeu mais de mil nomeações de 23 países, incluindo o Brasil

há 2 semanas
Notícias

Vencedores do programa Campus Mobile participam de imersão no Vale do Silício

Durante a viagem, jovens visitaram algumas das principais empresas de tecnologia e inovação do mundo

há 3 semanas

Receba NossasNovidades