Leonardo Valle

Elaborado pela Organização das Nações Unidas (ONU), o Mapa da Fome reúne os países que possuem mais de 5% da população ingerindo menos calorias que o recomendável. O Brasil abandonou a lista pela primeira vez em 2014, quando registrou apenas 3% de pessoas em situação de vulnerabilidade alimentar. Contudo, entidades da sociedade civil e pesquisadores alertam para um provável retorno ao ranking em 2019.

“Os dados oficiais são levantados a partir da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), que mede a escala brasileira da insegurança alimentar a cada cinco anos, sendo a última divulgação de 2013. O novo levantamento já foi realizado em 2018 e será divulgado em 2019”, explica o consultor em políticas públicas para pobreza e fome e pesquisador do Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase), Francisco Menezes. “Contudo, os números nos últimos três anos já indicam que a fome é um problema novamente”, adianta.

Segundo a Pnad Contínua de 2018, 13,1 milhões de brasileiros estão desempregados. Já a população vivendo em extrema pobreza – cidadãos que ganham menos de 1,9 dólares por dia – aumentou 11,2% entre 2016 e 2017, alcançando 14,83 milhões de brasileiros.

“São informações correlacionadas: se aumenta o desemprego e a extrema pobreza, a população entra em vulnerabilidade alimentar. Nunca houve uma situação em que esses números não cresceram simultaneamente”, justifica.

Entidades que trabalham com o tema no Brasil também reforçam a projeção a partir de dados empíricos. “Temos aproximadamente mil pontos de apoio no país e todos relatam piora da fome nos últimos três anos, em um panorama grave, parecido do que ocorria no início da década de 1990”, revela o diretor da Ação da Cidadania Contra a Fome e a Miséria, Rodrigo “Kiko” Afonso. A Organização foi fundada pelo sociólogo Herbert de Souza, o Betinho, em 1993.

De acordo com o cientista social e coordenador de campanhas da Oxfam Brasil, Rafael Georges, o perfil da pessoa em situação de vulnerabilidade alimentar hoje no Brasil é: negro, feminino, de áreas periféricas ou da zona rural. “Vimos uma redução do problema no nordeste e o aumento no sudeste. Hoje, a área metropolitana do Rio de Janeiro enfrenta similares aos do nordeste dos anos 80”, compara Afonso.

Teto dos gastos foi impulsionador

A crise econômica foi responsável por levar brasileiros que mal haviam alcançado a classe média, a partir de 2002, de volta à linha da pobreza. “Quinze anos não é tempo suficiente para consolidar uma mobilidade social. O mercado brasileiro é vulnerável a mudanças e qualquer queda atinge facilmente essa população”, analisa Rafael Georges.

Contudo, para os entrevistados, a resposta dada a crise foi o que agravou o problema a partir de 2016. Principalmente, a lei do teto dos gastos públicos (emenda constitucional 95/2016), que congelou investimos em educação, saúde e bem-estar social por 20 anos.

“Se aumenta o desemprego e a pobreza, aumenta o gasto para ajudar essa família a ter comida e a sobreviver. O teto impede isso”, contextualiza Afonso. “A imposição deixou o estado sem condições de enfrentar essas situações”, pontua Menezes. “Em uma crise, a última coisa a fazer é cortar programas sociais. No Brasil, costuma ser a primeira”, denuncia Georges.

A segunda medida questionada foi o descadastramento ou bloqueio de 1,1 milhão de beneficiários do Bolsa Família – voltado para famílias com renda mensal de R$85 e R$ 170 e que possuem filhos de zero a 17 anos. Cada cadastro beneficia, aproximadamente, quatro pessoas.

“Muitos brasileiros que passam fome e deveriam estar no programa não sabem por que foram descadastrados”, conta Menezes. “Além disso, seria necessária uma busca ativa dos que estão em insegurança alimentar para incluí-los. Porém, a lei do teto impede expansões”, lamenta.

Já Afonso também atribui impactos da reforma trabalhista no agravamento da fome na população pobre e extremamente pobre. “Houve perda de renda, pois os empregos gerados pós-reforma são precarizados. Ao contrário do profissional qualificado, essa pessoa não consegue negociar com o patrão: ou se sujeita ou outro aceitará” relaciona.

Combatendo a fome

Mas como o Brasil deve fazer para liquidar a fome novamente? Para os entrevistados, a primeira medida é a revogação da lei do teto dos gastos. “Não existe nenhuma lei aprovada no mundo parecida com ela. Programas sociais concorrem no orçamento entre si e ela impede a discussão sobre prioridades orçamentárias, como o tamanho dos gastos do Judiciário que queremos ou as pensões de militares, setores que fazem lobby no congresso. O único que não tem lobby, que não consegue se organizar e ir ao congresso lutar, é o povo que não tem o que comer “, decreta Georges.

“Acho difícil, infelizmente, que a lei seja revogada com o perfil do congresso eleito em 2018”, lamenta Menezes.

Sair dessa situação também depende da ampliação de programas sociais e geração de emprego. “O Bolsa Família é necessário no primeiro momento, assim como a geração de postos de trabalho rápidos para essa população em extrema pobreza. Como diria Betinho, quem tem fome tem pressa, logo as medidas são emergenciais”, defende Afonso. “Na sequência, é necessário garantir oferta de emprego formal, incluindo mulheres e negros. Se o próximo governo não agir, o futuro será sombrio”, finaliza.

Crédito da imagem: BirgitKorber – iStock

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

wpDiscuz

Talvez Você Também Goste

Notícias

Quase metade da população do mundo está abaixo da linha da pobreza, diz Banco Mundial

Segundo relatório, aproximadamente 3,4 bilhões de pessoas não conseguem suprir necessidades básicas

há 1 ano
Notícias

Unicef lança campanha com prioridades para crianças e adolescentes na agenda eleitoral

“Mais que promessas” lista temas como educação, saúde infantil e nutrição para candidatos ficarem atentos

há 1 ano
Notícias

Documentário mostra história de trabalhadores resgatados de condições análogas à escravidão

“Precisão” é uma produção da Organização Internacional do Trabalho e do Ministério Público do Trabalho

há 1 dia
Notícias

Advogados negros se unem para combater racismo no judiciário

Banco de currículos, grupos de indicação de trabalho, formação e apoio a estagiários são iniciativas

há 3 dias

Receba NossasNovidades