Leonardo Valle

A tecnologia tem transformado a defesa dos direitos humanos em todo o mundo, segundo o pesquisador do Centro de Ciência dos Direitos Humanos, da Universidade Carnegie Mellon (EUA), Enrique Piracés. Há mais de uma década, ele estuda a intersecção entre direitos humanos, ciência e inovação tecnológica.

Entre as experiências já colocadas em prática, ele destaca projetos de sucesso com criptografia, inteligência artificial e aprendizagem de máquina. “Para o futuro, o código aberto pode fortalecer a infraestrutura disponível para o movimento civil e global de direitos humanos. Essa troca entre pares deve ser vista como um ato de solidariedade entre as organizações cívicas internacionais, tecnoativistas, cientistas e defensores de políticas”, analisa.

Como é o trabalho do Centro de Ciência dos Direitos Humanos, da Universidade Carnegie Mellon?

Enrique Piracés: O centro reúne cientistas e profissionais vinculados à defesa dos direitos humanos, comprometidos em investigar como se encontra o tema em todo o mundo. Incentivamos a colaboração entre diversas áreas para promover métodos científicos que coletem, analisem e comuniquem sobre direitos humanos. Também fornecemos assistência para pessoas físicas e organizações, seja por meio de consultorias, programas educacionais ou pesquisas.

O quão importante é a tecnologia para os direitos humanos nos dias de hoje?

Piracés: Como em todas as áreas da existência humana, ela tem se tornado cada vez mais importante para a prática dos direitos humanos, tendo-a transformado. Cito a utilização da tecnologia de DNA para identificar corpos abandonados, o uso de imagens de satélite para acessar crises em locais remotos, a criptografia para proteger dados confidenciais, o uso de sensores para monitoramento ambiental, entre outros. Além disso, inovações tecnológicas podem melhorar nossa capacidade de pesquisar, documentar e avançar em questões relacionadas à temática. Por exemplo, ela ajuda a investigar fatos e auxilia em ações judiciais.

Sobre as tecnologias que já estão sendo aplicadas, quais merecem destaque?

Piracés: Vídeos gravados pelos cidadãos e outras imagens disponíveis publicamente fornecem evidências importantes de violações de direitos e crimes de guerra. Contudo, a quantidade desse material pode sobrecarregar os pesquisadores que atuam fazendo sua averiguação. O que temos visto é que aumentaram as iniciativas que procuram usar inteligência artificial e o aprendizado de máquina (método de análise de dados automatizado) para melhorar a checagem de grandes volumes de vídeos. Também aumentaram os projetos que visam tornar a documentação e a troca de mensagens mais segura, por meio da criptografia. A adoção do código aberto tem sido primordial para um melhor intercâmbio entre pesquisadores, pessoas e organizações que trabalham com os direitos humanos. Por fim, a inteligência artificial poderia ser usada para descobrir padrões nas decisões judiciais, auxiliando advogados na elaboração de suas defesas.

Direitos humanos, ciência e inovação tecnológica: Enrique Piracés estuda há mais de uma década relação entre essas áreas (crédito: arquivo pessoal)

 

Quais populações podem se beneficiar com a tecnologia aplicada à defesa dos direitos humanos?

Piracés: De um modo geral, os pesquisadores e organizações se beneficiam das tecnologias de averiguação de fatos e que tornam as ações judiciais mais eficientes. Já a criptografia é talvez a inovação que beneficiou mais os cidadãos. Dois recentes exemplos foram a sua adoção como padrão pelo WhatsApp e a criação do Let’s Encrypt, um projeto que fornece certificados Secure Sockets Layer (SSL) e Transport Layer Security (TLS) gratuitos (protocolos de segurança que protegem comunicações entre browser e servidor). Ambos tiveram milhões de beneficiários. Sobre segmentos específicos, a tecnologia se espalha e atravessa todas as populações. Contudo, grupos que são marginalizados podem se beneficiar mais, pois tendem a ser excluídos das discussões sobre como a área pode impactá-los e também costumam viver em situações onde seus direitos não são preservados.

O que pode podemos esperar para o futuro?

Piracés: Bem, o futuro é imprevisível, uma vez que as tecnologias estão sendo desenvolvidas e introduzidas na sociedade em uma frequência nunca vistas anteriormente. De forma otimista, o código aberto pode fortalecer a infraestrutura disponível para o movimento civil e global de direitos humanos. Essa troca entre pares deve ser vista como um ato de solidariedade entre as organizações cívicas internacionais, tecnoativistas, cientistas e defensores de políticas.

Veja mais:
Vídeo: Direitos Humanos – o que significam e como promovê-los?
Podcast: Declaração Universal dos Direitos Humanos comemora 70 anos
Podcast: 30 anos da constituição cidadã e os dias de hoje – crianças, mulheres e direitos humanos

Crédito da imagem: ipopba – iStock

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

wpDiscuz

Talvez Você Também Goste

Notícias

Cartilha orienta imigrantes e refugiados que vivem no Brasil

Documento da Defensoria do Rio de Janeiro explica direitos básicos e legislação referente ao tema

há 4 meses
Notícias

Documentário retrata articulação de mulheres indígenas em defesa de seus povos

Filme celebra 10 anos da Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas

há 12 meses
Notícias

Cartilha online discute direitos humanos e juventude

Educação inclusiva, sexualidade, saúde e profissionalização são alguns dos temas presentes na publicação

há 1 ano
Notícias

PIB e produção mundial serão afetados até 2050 por escassez de água, alerta ONU

Relatório aponta que mais de dois bilhões de pessoas sofrem com a falta do recurso

há 5 horas

Receba NossasNovidades