Leonardo Valle

O canal do YouTube Quebrando o Tabu lançou um vídeo didático no qual Preta Araújo explica o racismo estrutural. O material começa contextualizando o período de escravidão ocorrido no Brasil, país que foi o último do continente americano a abolir a prática, em 1888. Após a libertação, aproximadamente 1,5 milhão de pessoas negras foram inseridas na sociedade brasileira sem suporte, emprego, moradia digna e condições básicas de sobrevivência.

Após mais de 130 anos da abolição da escravidão, a população negra ainda enfrenta dificuldades para ascender socialmente. “Por conta dessa herança histórica vinda de centenas de anos de escravidão é que nasce o que chamamos de racismo estrutural”, explica o vídeo.

O fenômeno também se manifesta na linguagem, por meio do uso de palavras como “denegrir” (tornar negro), com intuito pejorativo, e “mulato”, além de expressões como “pessoas de cor” para se referir à população negra.

Já a origem do racismo é desconhecida, com surgimento provavelmente nos séculos XVI e XVII, em virtude da colonização das Américas pelos europeus. O olhar eurocêntrico comparava indígenas e escravos africanos a animais irracionais.

Veja mais:
Racismo é uma das causas da intolerância religiosa no Brasil
Vídeo aborda direitos humanos e racismo no Brasil
Série online gratuita relata resistência contra o racismo em Curitiba

Atualizado em 26/08/2019.

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

wpDiscuz

Talvez Você Também Goste

Notícias

Advogados negros se unem para combater racismo no judiciário

Banco de currículos, grupos de indicação de trabalho, formação e apoio a estagiários são iniciativas

há 2 semanas
Notícias

Vídeo aborda direitos humanos e racismo no Brasil

População negra no país possui direitos à saúde e à vida violados, aponta especialista

há 5 meses
Notícias

Série online gratuita relata resistência contra o racismo em Curitiba

“Negritude e Branquitude: Novos Olhares” conta com três episódios e apresenta depoimentos colhidos na cidade

há 1 ano
Notícias

Coletivo Amem promove festas para debater HIV, gênero e negritude

“Racismo torna a população negra vulnerável ao vírus e outras violências”, diz dançarino Flip Couto

há 2 anos

Receba NossasNovidades