Um carrinho foi elaborado por dois alunos com lata de azeite e uma placa de isopor. A dupla, contudo, queria descobrir um jeito do automóvel funcionar sem combustível. Pesquisaram na Internet e descobriram a Placa Peltier, usada para resfriar bebedouros. O resultado é que ambos, sozinhos, conseguiram gerar energia suficiente para que o protótipo andasse. “Eles ficaram encantados com o que podiam fazer”, conta o idealizador do “Nave à Vela” – programa que alia engenharia, design e empreendedorismo no currículo escolar – Lucas Torres.

Segundo Torres, este exemplo reúne três elementos importantes para a educação maker – ou mão na massa – acontecer: protótipo, projeto e descoberta de caminhos. “O diferencial é que o projeto tem um significado para os alunos. Nesse caso, o que os motivava era mais do que fazer o carrinho andar, mas pensar uma solução para um problema atual, que são os combustíveis fósseis”, relata o engenheiro, que foi um dos participantes da mesa “Educação Maker: como chegar às salas de aula?”, da Expo “Educação + Futuro + Tecnologia”. O evento ocorreu em São Paulo, no dia 27 de setembro de 2017.
Para o especialista, aplicar atividades práticas e alinhadas ao currículo escolar – princípio da cultura maker – tem impactos que vão além da sala de aula. “É como se mudasse uma chave na forma de pensar. Os alunos percebem que o mundo foi pensado por alguém, e que eles podem editar essa realidade. Deixam de serem passivos ou meros consumidores e passam a aplicar esse fazer ativo no dia a dia: do conserto da sua mochila até nas suas relações familiares”, pontua.
Empatia e outras habilidades
Enquanto a engenharia fornece tecnologia e ferramentas na aula maker, o design é fundamental para criar empatia. “Por exemplo, o aluno pensa uma solução para ajudar o idoso a tomar sua medicação diária. Para desenvolver um protótipo, ele deve refletir: quem é esse idoso? Como ele se relaciona com a medicação? Como é a sua mobilidade? De repente, esse estudante passa a ter contato com uma realidade que era, até então, desconhecida para ele”, assinala.
Além da empatia, a educação maker pode mobilizar outros aspectos emocionais importantes aos alunos, como resolução criativa de problemas, colaboração e autonomia. “Cada aspecto destes também estimula outras habilidades por tabela. A resolução criativa de problemas, por exemplo, envolve pensamento crítico, criatividade, aprendizagem de algo novo, lidar com o erro, entre outros”, reforça.
Já o fundador do Mundo Maker, Fábio Zsigmond, reforçou o papel de mediador do professor nos processos de aprendizagem. “O projeto deve ser do aluno, mas os desafios propostos vêm do professor”, resume. “O professor deve ajudar o aluno no caminho da sua aprendizagem autônoma, nunca dando a resposta, mas apontando os caminhos para ele encontrá-la. Às vezes, até respondendo uma pergunta com uma nova provocação, que será estratégica para esse estudante resolver o problema”, pondera.
Por fim, para Zsigmond, um espaço maker não depende de tecnologia para funcionar. “Não é necessário uma impressora 3D, como muitos acreditam. É possível criar com ferramentas manuais, digitais, software ou eletrônicos. O mais importante são as pessoas”, aponta.
Cada escola, uma proposta
Simone Lederman é educadora do Instituto Catalizador, que desenvolveu atividades para que escolas municipais e estaduais ocupassem os FabLabs (laboratórios de criação) públicos de São Paulo. Para ela, a cultura maker também está intimamente relacionada ao conceito de cidades educadoras, ou seja, que a educação pode ocorrer em outros espaços que não a escola.
“O bom de ocupar os FabLabs públicos é que os alunos passam a ter contato com outras pessoas com habilidades, experiências e paixões distintas. Além disso, o professor vê nessas outros participantes parceiros e colaboradores. Ou seja, ele não precisa saber tudo de tecnologia, pode pedir ajuda e criar em conjunto”, opina.
Para ela, a implantação de projetos makers deve estar alinhada a realidade e necessidades de cada comunidade escolar para funcionar. “Não dá para copiar um projeto e transpor para outra escola. Mesmo que as duas sejam públicas e estejam situadas no mesmo bairro”, decreta.

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

wpDiscuz

Talvez Você Também Goste

Lidar com aluno que pratica o bullying exige mais do que uma única intervenção

Empatia, respeito à diversidade e reflexão sobre valores devem pautar ações sequenciais

Escola é transformadora quando se posiciona contra desigualdades

Debate em São Paulo abordou a influência do contexto social no trabalho educacional

Fluxogramas deixam atividade interdisciplinar mais clara para os alunos

Professor de Goiânia aprendeu método após imersão em escola inovadora na Índia

Pouco conhecimento sobre acesso à universidade é empecilho para jovens de baixa renda

Projetos visitam escolas para informar sobre como entrar e permanecer no ensino superior

Receba NossasNovidades