Os alunos que cursam o ensino médio em conjunto com o técnico profissionalizante costumam permanecer na escola durante muitas horas. Foi pensando em melhorar a relação desses estudantes com o ambiente escolar, que a Escola Técnica Estadual (Etec) de São Paulo Parque Belém teve a ideia de realizar um concurso fotográfico.

“A gente já organizava uma série de atividades para ampliar o sentimento de pertencimento do aluno ao espaço escolar. Dentro desse contexto, nasceu o projeto ‘Fotografar para Pertencer’. As fotos foram selecionadas a partir de um concurso interno intitulado ‘Belém na Exposição’, que premiou as três primeiras colocações, votadas por meio das redes sociais”, conta a coordenadora pedagógica Marisa da Costa.

As regras eram que os estudantes fotografassem apenas os espaços da escola e não os outros alunos e eles poderiam utilizar câmera ou smartphone. A maioria deles, contudo, optou pela segunda opção. “O celular faz parte da realidade deles e do ambiente escolar. Eles já costumam tirar fotos da lousa, de matérias que não conseguiram copiar. A iniciativa ajudou a ressignificar esse que é visto como um vilão da educação, valorizando a ferramenta de uma forma positiva”, justifica a professora Maria Carolina de Andrade José, responsável pelo projeto juntamente com a docente Elisângela Martins.

Cores e concreto

O concurso, embora divulgado para toda a escola, teve maior adesão dos alunos do ensino médio e ensino técnico integrado. “Eles puderam expressar, por meio das fotos, sua relação com o espaço. A atividade valoriza o olhar do estudante sobre o ambiente escolar, dando bons indicativos para professores, direção e coordenação pedagógica de como eles a enxergam, ”, destaca Andrade José.

Entre os vencedores, figuraram imagens das estruturas de concreto dialogando com cores, luzes, natureza e lugares abertos. “Para educadores que desejam se inspirar na atividade, o olhar registrado pode ser utilizado para fomentar discussões”, recomenda. O esquema de voto popular via redes sociais também foi positivo para divulgar a escola para a comunidade. “Os alunos iam chamando os amigos e familiares para conhecerem suas fotos e votar”, lembra a professora.

Celular foi o instrumento que alunos utilizaram para registrar seu olhar sobre a escola (crédito: Letícia Bidinoti)

 

Para ela, um dos desafios foi engajar os estudantes, principalmente os que cursam o período integral. “Muitos ficam na unidade escolar das 7h30 às 16h. Há um excesso de atividades e exige uma disponibilidade de tempo pensar a composição da imagem, inscrever-se no concurso e enviar a imagem”, conta. “O mesmo vale para os educadores, que possuem uma rotina corrida e precisam disponibilizar espaço na agenda para um projeto de extensão”, aponta.

Para premiar os alunos, a instituição de ensino procurou parcerias com a comunidade. Assim, o primeiro lugar ganhou um curso de fotografia em uma escola da região; o segundo, um curso de inglês e, o terceiro, um livro de fotografia para iniciantes. “Para a premiação, fizemos uma celebração com alguns estudantes tocando e outros lendo poesias”, relembra.

As fotos ficarão em exposição na Biblioteca Municipal Affonso Taunay, no bairro da Mooca, e, na sequência, serão recebidas por mais duas bibliotecas da Região Leste da cidade. “O projeto itinerante voltará à Etec Parque Belém, onde também será exposto e analisado pelos atores da própria unidade”, explica Costa. “Nesta ocasião, será divulgada a segunda edição do concurso, já programada para o mês de outubro. A continuidade da iniciativa permitirá a adesão de outros cursos, a promoção de novas parcerias e a divulgação da escola para a comunidade externa”, ressalta.

Veja mais:
7 links para usar a fotografia como recurso didático
Uso de imagens em sala de aula estimula olhar crítico
Confira 8 cursos gratuitos de fotografia na internet

Crédito da imagem principal: Gabrielle Macedo

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

wpDiscuz

Talvez Você Também Goste

Como avaliar os alunos na disciplina de educação física?

Professores dão 6 dicas para diversificar a análise além da memorização e classificação na disciplina

Realidade no campo, classes multisseriadas apresentam potencial pedagógico

Formato pode incluir aprendizagem por projetos e currículo alinhado a saberes da comunidade

Receba NossasNovidades