As festas do Dia das Mães e do Dia dos Pais na escola estadual Prof. Alvino Bittencourt, em São Paulo (SP), eram para ser momentos de celebração e alegria. Contudo, os diretores notavam tristeza por parte dos alunos que não tinham ou não podiam conviver com uma das figuras. Foi quando a gestão substituiu tais comemorações por duas edições anuais do Dia da Família, que foi batizado como “O Dia de Quem Cuida de Mim”.

“O objetivo do projeto é acolher as diferentes constituições familiares. A festa é comemorada no Dia das Mães e dos Pais para contemplar todas as diversidades que a nossa comunidade apresenta”, resume a vice-diretora, Simone Lopes Guidorizzi. “A festa é aberta a todos: pais, mães, avós, irmãos, tios ou quem a criança desejar convidar. Há apresentações de danças, poemas, teatro e outros”, completa.

Três anos depois, a data está bem consolidada no calendário da escola e é aguardada com ansiedade pelas crianças e jovens. “Uma situação emocionante foi de uma avó que cuida de quatro netos que estudam juntos na escola. Para estas crianças, a avó representa a figura do pai ou mãe”, assinala Guidorizzi.

Novas configurações

A opção por comemorar o Dia da Família está de acordo com os novos arranjos das estruturas familiares brasileiras. Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), de 2015, revelam que o perfil familiar composto por pai, mãe e filhos representa 42,3% dos lares no país. Uma queda de 7,8 pontos percentuais em relação a pesquisa de 2005, quando tal perfil abrangia 50,1% das moradias. Em contrapartida, os lares chefiados por mães solteiras saltaram de 10,5 milhões para 11,6 milhões no mesmo período. Apesar do aumento no número absoluto, a representatividade caiu de 18,2% para 16,3% entre 2005 e 2015. Isso porque outros tipos de família cresceram mais proporcionalmente.

Apesar dos alunos das escolas públicas refletirem essa nova realidade, a substituição do Dia das Mães e dos Pais pelo Dia da Família ainda provoca estranhamento. Foi o que aconteceu com Elenilda Peres, em 2013, quando era diretora-adjunta da escola municipal Prof. Ilza Junger Pacheco, em Guapimirim (RJ).

“Quando fiz a proposta, a diretora-geral não gostou da ideia. Disse que estávamos excluindo as mães. Porém, a lógica é exatamente a oposta: ninguém é excluído. Outras pessoas que fazem parte da estrutura familiar podem entrar”, desmistifica. “O fato é que estamos em uma comunidade vulnerável, na qual o tráfico é uma realidade. Penso que havia um receio de abrir a escola para toda a comunidade, enquanto isso deveria ser algo natural”, acrescenta. O Dia da Família foi realizado com o apoio de colegas e acontece desde então. Atualmente, Peres é a diretora-geral da escola e reforça a importância da festa.

 

“Envolve a família na escola e as crianças ficam extremamente felizes de se verem incluídas na celebração”, pontua. “Nossos desafios, agora, são outros. A quadra é descoberta e contamos com a sorte de não chover. E nos anos em que conseguimos montar um palco, é uma felicidade geral”, comemora.

Canal de comunicação

Para os professores e gestores que desejam adotar o Dia da Família, as diretoras transmitem algumas dicas. A primeira delas é conversar com a comunidade para sensibilizá-la sobre a importância da data. “A comunicação foi por meio de um convite, que explicou sobre o evento e seu significado para todas as crianças. No nosso caso, a aceitação foi unânime”, orienta Guidorizzi.

Já Peres recomenda que a gestão busque a ajuda dos professores. “Eles terão boas ideias sobre as atividades a serem realizadas. Na nossa escola, o Dia da Família é só o ápice de uma programação que acontece durante a semana. Há rodas de debates sobre temas diversos e os alunos ensaiam peças e apresentações musicais com o apoio dos docentes”, conta. “Além disso, quando temos uma equipe unida, os desafios que surgem ficam minimizados”, decreta.

Por fim, a própria escola pode escolher o melhor momento para celebrar a data. “Optamos por fazer uma única festa, em março, quando há menos atividades programadas na escola”, justifica Peres.

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

wpDiscuz

Talvez Você Também Goste

Projeto de escola de São Paulo une matemática, artes e língua portuguesa

Em atividade, alunos recriam roupas e materiais escolares a partir de objetos doados ou descartados

Professor de geografia utiliza o entorno da escola para criar mapas colaborativos

Projeto “Quebrada Maps” discute identidade e território com estudantes de escola pública de São Paulo

Consolidação do hábito de frequentar museus também passa pela escola

Apresentar acervos online é uma alternativa para alunos que residem em cidades sem essas instituições

Escola personaliza ensino ao substituir aulas por projetos como ferramenta de aprendizagem

Sem ter que preparar atividades ou corrigir provas, professor tem mais tempo para acompanhar alunos

Receba NossasNovidades