Confira o vídeo com audiodescrição

“Eu vivenciei, ao longo da minha trajetória na escola pública, toda uma história eurocêntrica. Nunca me apresentaram o continente africano”, conta a professora de sociologia Odara Dèlé.

Pensando em mudar essa situação, a docente resolveu usar o interesse dos jovens pelos smartphones a favor dessa aprendizagem. Assim surgiu o aplicativo Alfabantu, que apresenta aspectos da cultura bantu e da língua kimbundu, duas matrizes étnicas presentes na cultura afro-brasileira, para os estudantes.

“Muitas vezes os alunos veem a África não como um continente, mas como um país”, diz a professora de artes Michelle Bispo, que usa o app em suas aulas para introduzir um aspecto lúdico, ao mesmo tempo em que mostra como características dessa cultura estão presentes no Brasil.

Para as duas educadoras, além dos conteúdos, o trabalho com o Alfabantu também ajuda na construção e valorização da identidade afro-brasileira. “Pode parecer que não, mas quando eu trabalho algo sobre a África, eu consigo trabalhar a autoestima dessas crianças também. Ter uma professora negra que apresenta o trabalho de outra professora negra, que fez um aplicativo sobre a África, faz eles se sentirem seguros o suficiente para falar sobre as próprias experiências”, afirma Bispo.

Confira o vídeo com audiodescrição:

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

wpDiscuz

Talvez Você Também Goste

Ampliar jornada escolar pode fazer jovem se sentir preso, avalia professor da USP

Violência física contra professor nasce de outras formas de agressão, afirma especialista

Saiba como ensinar coesão e coerência textuais

Receba NossasNovidades